Após encontro com o ex-governador Jarbas Vasconcelos, onde foi oficializada a Comissão Provisória do PMDB do município, Tadeu Sá e Denise Alencar foram recebidos pelo vice- governador do estado Raul Henri.

Depois de 28 anos, o PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro, volta a ser dirigido no município de Belém do São Francisco pelo advogado e ex-candidato a prefeito pelo partido em 1982, Tadeu Sá, sendo que desta feita, como presidente da Comissão Provisória, caberá a ele a tarefa de tirar o partido do ostracismo que se encontra, formando seu novo diretório municipal e ao mesmo tempo, lançando uma campanha de novas filiações com vistas a apresentar candidato a prefeito, vice-prefeito e vereadores para o pleito de 2016.

A nova comissão provisória ficou acertada após encontro de Tadeu Sá e sua esposa, Denise Alencar, com o ex-governador de Pernambuco e hoje deputado Federal, Jarbas Vasconcelos, encontro que aconteceu no escritório politico do deputado, na Ilha do Leite, em Recife, sendo que na parte da tarde, Tadeu e Denise, foram recebidos pelo vice-governador, Raul Henri.

Nos dois encontros, muito se conversou sobre fatos passados, o momento que o município vive, sendo que o advogado deixou bem claro aos dois políticos a situação de crise que Belém vive, bem como a questão das ilhas, local que Jarbas Vasconcelos conhece bastante, pois sem a regularização quanto à sua propriedade, estão estas praticamente abandonadas, sem capacidade de produzir e consequentemente sem gerar riqueza como no passado.

Na ocasião o ex-governador Jarbas Vasconcelos falou sobre um projeto bancado pelo Estado de Pernambuco para as ilhas, segundo ele a apedido do ex-deputado federal, Osvaldo Coelho, projeto que segundo afirmou, trata de estradas e interligação destas com a cidade. O deputado prometeu desengavetar o projeto e cobrar soluções, além de ter garantido uma visita em breve ao município.

ANTIGO PMDB:

Pelos registros da história recente, o PMDB sucede o antigo MDB, sendo que o partido foi fundado a nível nacional em 1980. Em igual período, ante a extinção do MDB municipal, coube a Tadeu Sá, Odi Alencar e tantos outros amigos, fundar o PMDB no município, e já nas eleições de 1982, ainda sob o efeito brutal do regime militar e do partido antagonista, o PDS, o PMDB lançou o advogado Tadeu Sá, como candidato a prefeito, tendo companheiro de chapa o hoje falecido, Gabriel Nogueira e mais doze candidatos a vereadores. Mesmo em época difícil, sem o apoio de qualquer esfera de poder, sem dinheiro e contra uma elite abastada e então poderosa politicamente, o partido elegeu para a câmara de nove, três vereadores, Alípio Nogueira, Américo Junior e Lázaro Caboclo, um fato histórico para a ocasião, pois nas eleições posteriores, duas delas com o médico, Dr. Adriano Marques, filho do então vereador Eurípedes Carvalho, uma com o advogado Henrique Marcula e a primeira do ex-prefeito, Aníbal Roriz, o PMDB apenas conseguiu eleger dois vereadores em cada uma destas eleições, uma perca significativa para partido, que somente veio a ter dias melhores na eleição de 2000, quando da vitória do prefeito Aníbal Roriz, já que neste ano conseguiu eleger quatro vereadores, suplantando com isso o número de vereadores eleitos pela chapa de Tadeu. De lá para cá o partido literalmente sucumbiu no município, embora até pouco tempo atrás tivesse uma comissão provisória.

Pelo PMDB, Tadeu Sá, em 1982, foi o primeiro candidato do partido. Sua chapa elegeu três, dos nove vereadores do município: Alípio Nogueira, Lazáro Cabloco e Américo Junior.

Pelo PMDB, Tadeu Sá, em 1982, foi o primeiro candidato do partido. Sua chapa elegeu três, dos nove vereadores do município: Alípio Nogueira, Lazáro Cabloco e Américo Junior.

OPOSIÇÃO:

Segundo Tadeu Sá, o partido renasce agora como antigamente, imbuído do firme propósito de fazer oposição aos tradicionais e incompetentes governantes que sucessivamente vem administrando a terra em marcha ré. Para Tadeu, um só grupo familiar domina tudo e em consequência a politica local, feita por primos, parentes bem próximos entre si, pais, filhos e tios, não têm compromissos com os mais necessitados, que como que combinados para se perpetuarem no poder, não fizeram e nada fazem para recuperar o tempo perdido, o progresso que existiu um dia e a baixa estima que se abate sobre à população que só tem um caminho, ir embora em busca de meios para de sobreviver.

Para Tadeu, ao longo dos anos de desgovernos aconteceu e acontece de tudo, cortes por inadimplência no fornecimento de energia elétrica da prefeitura e outros órgãos públicos, educação no fundo do poço, comprometimento da saúde da população a ponto das nossas mães terem que parir na cidade de Floresta ou Salgueiro, obras federais e estaduais sem perspectiva de conclusão, desperdício incomum de receitas, município atolado em dividas impagáveis, falta de compromissos com coisas mais elementares como os salários dos funcionários e fornecedores, videos que são exibidos pelas redes sociais cobrando débitos de forma pública, acintosa e desmoralizante, pior gestão fiscal do Brasil, sucessivas contas rejeitadas, ruas completamente submersas em lixos e entulhos, esburacadas e com meios fios completamente arrebentados, e o mais lamentável, quem se intitula oposição não cobra, não fala nada, temem todos perderem os espaços conquistados com a política e calam-se covardemente, deixando a população indefesa, a mercê da indignação. “Belém não pode mais continuar convivendo com este modo de governo que foi implantado a mais de meio século por uma só família, sem ouvir os reclames do povo”, diz Tadeu.

Governada a mais de meio século por uma só família, Belém regride cruelmente e se não houver mudanças o futuro de seus filhos será mais incerto ainda.

Governada a mais de meio século por uma só família, Belém regride cruelmente e se não houver mudanças o futuro de seus filhos será mais incerto ainda.

CANDIDATURAS:

Perguntado a Tadeu Sá, se será ou não candidato a prefeito, ele responde que não pode ser candidato de si próprio. “O Candidato a prefeito pelo PMDB e consequentemente pela nova oposição de Belém, será fruto de um debate profundo com a sociedade”. “Ter ideias fixas de candidatura pessoal, por conta própria, é coisa de ditador”. “O povo é quem vai escolher a pessoa que melhor possa representar a oposição frente não só ao prefeito Gustavo Caribé, mas também a própria família Lustosa, que estão aí há mais de meio século, mas que os resultados apresentados nada mais representam que uma cidade degradada e degradada de forma espantosa”.

Para Tadeu Sá, “O candidato pode ser qualquer um, basta apenas que reúna em torno de si a confiança perdida pelo povo belemita”. Pode ser eu, Tadeu, pode ser uma pessoa da zona rural, da ilha. Pode ser uma pessoa da periferia, uma pessoa humilde, pode ser um homem, uma mulher. Enfim, pode ser qualquer um, desde que tenha coragem para enfrentá-los, de chamá-los para o debate, de mostrar os desmandos, que tenha coragem de fazer frente ao que está aí, ao que macula nosso passado, mancha nosso orgulho e principalmente, afronta nossa gente sofrida.

Escrito por Maria Rita.

Sem título

Na terça feira, dia 25, logo cedo, funcionários que prestam serviços a Celpe – Companhia de Eletricidade de Pernambuco suspenderam o fornecimento de energia elétrica da prefeitura de Belém do São Francisco, bem como do mercado do produtor rural, matadouro público, secretaria de educação, biblioteca municipal, escola Carolina Augusta de Sá, e outras seis escolas da zona rural, deixando desta forma grande parte dos funcionários sem trabalhar, o que implicou também na paralisação de alguns serviços.

O motivo alegado para o corte não se tratava de contas vencidas nos meses atuais, mas de parcelamentos de débitos anteriores que não foram honrados e que foram deixadas ao longo dos anos por grande parte dos prefeitos que anteriormente administraram o município, inclusive o pai do prefeito atual, Manoel Caribé.

Acontece que no final da tarde do mesmo dia, tudo foi resolvido, a conta foi paga e a energia restabelecida. Segundo informações não oficiais, os valores que estavam em atraso somavam R$ 131 mil, o que por aí dá uma dimensão dos débitos que nossa tão sofrida prefeitura possui.

Para o governo atual o fato motivou um corre\corre muito enorme, além do contra tempo que houve, mas para a oposição um prato cheio já que gerou grande satisfação e a notícia logo se espalhou de forma muito rápida, inclusive alguns políticos postaram comentários críticos nas redes sociais. A felicidade estava estampa na cara de alguns, que ao mesmo tempo esquecem que no governo do prefeito Helionaldo Lustosa, também foi assim, um carro de som com gerador foi locado por vários dias para suprir a energia que também foi cortada naquela ocasião. Com as críticas, os “caribezistas” respondia aos “lustosistas” que Gustavo pagou a conta no mesmo dia, o que não aconteceu no governo Helionaldo.

Seja como for o fato estraga mais ainda o governo Gustavo e os dois grupos políticos que dominam incompetentemente Belém, Lustosa e Caribé, pois estes débitos não vêm de hoje, já que no início do governo Aníbal Roriz, teve ele que negociar contas dos seus antecessores e já naquela ocasião, o parcelamento aconteceu em meses infindáveis, com parcelas mensais, que correspondia a época a mais de 30 mil reais.

Isto chama-se descalabro administrativo, desgovernos, pois mesmo a prefeitura cobrando a cada mês dos cidadãos a tarifa da energia pública, não buscam logo deduzir o deve na futura a receber, que no caso, é a Celpe quem recolhe.

Escrito por Tadeu Sá.

Sem título

Em auditoria especial realizada no ano passado, 2014, mas somente agora julgada, o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, identificou uma serie de irregularidades na prestação dos serviços de educação da prefeitura municipal de Belém do São Francisco. Os técnicos verificaram que existem inúmeras unidades escolares que não atendem sequer aos requisitos definidos como padrões mínimos de infraestrutura constantes dos Planos Nacional e Municipal de Educação. Na decisão, o TCE ver como irregular a situação do nosso sistema educacional e por conta disso faz diversas recomendações ao prefeito Gustavo Caribé, além de aplicar ao mesmo, multa no valor de R$ 6.462,50.

A auditoria teve como objetivo verificar as condições em que estava sendo processada a oferta de educação na sede e na zona rural do município, e de acordo com que os técnicos verificaram, à unanimidade, os Conselheiros da Segunda Câmara também entendeu que diversas unidades escolares do Município de Belém do São Francisco não atendem aos requisitos devidos.

Desta forma, os conselheiros consideraram gravíssima situação da estrutura física de muitas escolas do Município, as quais não passam, segundo o Tribunal, de pequenas casas de taipa, como é o caso da Escola Vereador José Roriz de Menezes, Escola São José, Escola Dr. Édson Cantarelli, Escola Éneas Cantarelli de Carvalho Caribé e Escola Sérgio Rodrigues da Silva.

Na decisão o TCE leva em conta que o prefeito Gustavo Henrique Granja Caribé está à frente do Executivo de Belém do São Francisco desde janeiro/2009, ou seja, era o Prefeito do Município há mais de 5 anos, (quando da auditoria), e com isso, observam os conselheiros que há omissão no dever de elaborar, implementar e gerir políticas públicas educativas, no que se refere ao fornecimento dos requisitos elementares de infraestrutura para o funcionamento de uma unidade escolar, quando ao contrário, deveria dar prioridade ao direito que tem a população matriculada, na rede de ensino que gerencia, a ter aprendizagem com qualidade social, ou seja, que os ambientes físicos tenham condições compatíveis com os requisitos definidos pelos planos já referidos. Nestas condições, os conselheiros consideram urgente a necessidade de intervenção da Prefeitura no saneamento das desconformidades verificadas.

Na ocasião o TCE, considerou o documento apresentado pelo prefeito Gustavo Henrique Granja Caribé, documento voltado para a solução do problema, que está alinhado com as medidas propostas pela auditoria e com isso consideram também que os espaços escolares (infraestrutura e prédio) devem oferecer condições compatíveis com os requisitos definidos pela lei e com os conceitos de sustentabilidade, acessibilidade universal e com a proposta pedagógica.

Na mesma oportunidade, o TCE, em mais outra leva de recomendações, exige que administração municipal de Belém do São Francisco passe a adotar, pelo menos, os seguintes procedimentos: Fazer constar no próximo Planejamento da Educação do Município, principalmente, os seguintes aspectos: As condições em que se está se processando a oferta de Educação do Campo, Educação Escolar Indígena e Educação em áreas remanescentes de quilombos; A adequação da infraestrutura física das escolas em função da sua organização pedagógica; O conhecimento técnico, por parte do Secretário ou Dirigente Municipal de Educação do processo de construção do orçamento municipal. O Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e Lei Orçamentária Anual (LOA) do governo anterior que são executados no seu primeiro ano de gestão, sabendo-se que os próximos PPA, LDO e LOA nortearão os outros três anos de sua gestão; Que o Secretário ou Dirigente Municipal de Educação deverá se articular com a Secretaria Municipal de Finanças e/ou Planejamento para participar do processo de preparação dos PPA, LDO e LOA. Além disso, conforme determina o artigo 5º do PNE, os planos plurianuais (PPA) da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios serão elaborados de modo a dar suporte às metas constantes do Plano Nacional de Educação e dos respectivos planos decenais.

Em outras recomendações, os conselheiros do TCE exige atenção especial com as despesas realizadas com a conta do FUNDEB (Regulamentado atualmente pela Lei nº 11.494/2007), sobretudo aquelas como as feitas com os 40% desse Fundo, as quais estão disciplinadas na LDB, que orientam as despesas de Manutenção e Desenvolvimento da Educação (MDE) e que o Secretário Municipal também deve conhecer os 25% das receitas municipais constitucionalmente vinculadas à Educação.

Na mesma decisão, recomendam também que se promovesse até o início do exercício (2015) a gestão municipal da Educação com qualidade social, conforme preconiza o artigo 3º da Lei de Diretrizes e Bases (LDB); Que artigo 3º da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) prevê que o ensino será ministrado com base em doze princípios. O de número VIII é a gestão democrática do ensino público. Dessa forma, na medida do possível, o município deve promover eleição de diretores, Conselho Escolar, descentralização financeira, e práticas efetivas de participação, que conferem a cada escola sua singularidade.

Além destas questões, devia o município ter providenciado desde o início do exercício (2015) a criação do Sistema Municipal de Ensino, que é o sistema responsável pela legislação educacional que regulamenta, fiscaliza e propõe as medidas para melhoria das políticas educacionais.

Outrossim, com base em diversos pressupostos, decidiram que o Prefeito de Belém do São Francisco tome, a partir da data de publicação da decisão, que é de 20 de agosto do corrente ano, sob pena de aplicação de multa as seguintes medidas: Reconstruir 16 unidades escolares, no prazo de 360 dias, cujas instalações físicas foram consideradas irrecuperáveis pela auditoria. São elas: Creche Extensão da Escola Paraíso da Criança (Tia Zita), Escola Fazenda Montes, Escola Padre Anchieta – Ilha Grande, Escola. Professora Neura Mª Nascimento – Fazenda Malhada Vermelha, Escola São José – Fazenda Riacho do Juazeiro, Escola Dr. José de Sá Roriz – Fazenda Pau Ferro, Escola Dr. Édson Cantarelli – Ilha Grande, Escola Edésio Tolentino – Ilha da Várzea, Escola Éneas Cantarelli de Carvalho Caribé – Ilha Grande, Escola Martina de Souza Pinto – Ilha do Curralinho, Escola Orminda Lustosa – Ilha da Várzea, Escola Padre Anchieta – Ilha Grande, Escola Salustriano José Filho – Ilha Grande, Escola Vereador José Roriz de Menezes – Ilha Grande, Escola Washington Roriz – Ilha Grande, Escola Santa Luzia e Inácio Gomes – Ilha da Várzea e Escola Sérgio Rodrigues da Silva – Ilha da Missão.

Na decisão, o TCE afirma também que deve ser implantada infraestrutura elementar em 8 unidades escolares, no prazo de 180 dias. Isto é, que sejam instalados água, sanitário, energia, esgoto e cozinha, na Escola Manoel Araújo Caribé – Fazenda Poço Comprido, Escola Boa Esperança – Fazenda Queixada, Escola Nossa Senhora da Saúde – Fazenda Cachauí de Cima, Escola Nossa Senhora das Graças – Fazenda Lagoinha, Escola Nossa Senhora de Fátima – Fazenda Várzea das Pedras, Escola Nossa Senhora do Rosário – Fazenda Ipueira, Escola Nossa Senhora Perpétuo Socorro – Fazenda Cachauí de Baixo, Escola. Padre Cícero – Fazenda Várzea Grande.

Igualmente o Tribunal de Contas recomendou que seja criada prática de esporte, recreação e biblioteca, no prazo de 180 dias, conforme a meta 6 – item 6.3 do novo PNE (Lei nº 13.005/14), ou, na impossibilidade da criação desses espaços, fomentar a articulação da escola com os diferentes espaços educativos, culturais e esportivos e com equipamentos públicos, como centros comunitários, bibliotecas, praças, parques, museus, teatros, cinemas e planetários, conforme o item 6.4 da meta 6, do mesmo plano, nas seguintes unidades escolares: Escola Padre Henrique Oligmuller – Fazenda Canoa, Escola Antônio Gonçalves – Fazenda Olho D’água do Tomaz, Escola Mundial – Fazenda Jatobá, Escola Nossa Senhora da Conceição – Fazenda Rancho dos Homens – Escola Josefa Docelina Pires de Sá – Fazenda Taiano, Escola Manoel Jacinto – Rua Projetada – Alto Bom Jesus – Sede, e Escola Professora Rita Neide Nogueira Carneiro, Av. Cel. Jerônimo Pires – Belém.

Nas escolas Escola Padre Henrique Oligmuller – Fazenda Canoa, Escola Antônio Gonçalves – Fazenda Olho D’água do Tomaz, Escola Mundial – Fazenda Jatobá, Escola Nossa Senhora da Conceição – Fazenda Rancho dos Homens, Escola Josefa Docelina Pires de Sá – Fazenda Taiano e Escola Professora Rita Neide Nogueira Carneiro – Av. Cel. Jerônimo Pires. A decisão recomenda que nestas escolas sejam instalados telefonia e serviço de reprodução de texto, no prazo de 180 dias.

Igualmente recomenda a instalação de informática e equipamento multimídia para ensino, no prazo de 180 dias, conforme a meta 7 do item 7.20, do novo PNE das seguintes escolas: Escola Padre Henrique Oligmuller – Fazenda Canoa, Escola Antônio Gonçalves – Fazenda Olho D’água do Tomaz, Escola Mundial – Fazenda Jatobá, Escola Nossa Senhora da Conceição – Fazenda Rancho dos Homens, Escola Josefa Docelina Pires de Sá – Fazenda Taiano, Escola Professora Rita Neide Nogueira Carneiro, Av. Cel. Jerônimo Pires – Sede; Escola Celestino Nunes – Povoado de Riacho Pequeno – Ensino Fundamental I e II.

Por fim o TCE recomenda ainda que sejam recuperadas as instalações físicas das 15 unidades escolares, no prazo de 90 dias, relacionadas no apêndice 5 e no quadro 13, às fls. 86 do processo. Os itens de instalações físicas que deverão ser corrigidos são: Problemas estruturais aparentes, Revestimentos internos e externos, Esquadrias, Estrutura da coberta e telhado, Instalações de água e de esgoto, Condições externas, além de determinar à Coordenadoria de Controle Externo, por meio de seus órgãos fiscalizadores, que verifique nas auditorias/inspeções que se seguirem o cumprimento das presentes determinações.

Participaram do julgamento os conselheiros, Presidente, Teresa, Conselheiro Marcos Loreto – Relator, Conselheiro Dirceu Rodolfo de Melo Júnior. O Procurador foi Dr. Gustavo Massa.

NOTA DO BLOG DO TADEU SÁ:

Esta é a educação que a antiga “terra dos doutores” oferece as nossas crianças e jovens da zona rural de Belém do São Francisco, e isto acontece justamente no local onde o prefeito é endeusado, segundo seus aliados.

Ao invés de escola de qualidade, duzentos açudes e barragens secos e os problemas dos cidadãos da zona rural não são definitivamente solucionados. Para o prefeito, estas barragens e açudes resolvem tudo.

A situação é extremamente preocupante, grave mesmo e urge que a população mais esclarecida e consciente do município cobre por isso. Não podemos continuar convivendo com a marginalidade que é imposta a nossa juventude, especialmente aqueles do meio rural, com escolas em casas de taipa, sem banheiros e sem água. Mais grave ainda é a quantidade de alunos fora das escolas por falta de transporte escolar, deles a três, quatro quilômetros da escola. Eles estão vivendo no mais completo abandono.

De quem cobrar soluções? Dos nossos políticos? Claro que não, ninguém enxerga tamanho descalabro e também nada vão fazer para modificar o quadro agora visto. A miséria social é causa da ignorância que por sua é causa da dependência que muitos vivem e é esta dependência que alimenta alguns dos nossos vermes políticos.

O pior de tudo isto é saber que com o argumento de que se deve investir dinheiro do munícipio em faculdade particular com o fim de alavancar o progresso da terra, resolveram dispensar enormes quantias em favor desta, e tudo acontecimento em detrimento de quem mais necessita, os jovens sofridos do meio rural.

Se querem engrandecer a cidade jogando fora recursos importantes, como chegaram estes jovens as instituições superior de ensino? É preciso que se saiba que o analfabeto ou o conhecimento precário do saber não leva ao progresso, pelo contrário, gera violência, muita desgraça e miséria social.

Não podemos calar diante de tamanha e bárbara situação. Sabemos que as decisões devem vir de quem nos representa nos diversos poderes, legislativo e executivo, e se eles não querem mudar, que mudemos então nossos conceitos quanto a forma de enxerga-los, que doravante sejam marcados como a geração de políticos que mutilaram nossos jovens, que deram as costas para problemas sérios como este.

Enquanto cidadãos que somos, mesmo sem as forças dos políticos, devemos atentamente acompanhar o caso, observando com especial atenção as recomendações e os prazos para cumprimentos das medidas impostas pela corte de contas. Se não forem atendidas, que procuremos o Ministério Público ou o TCE cobrando deles o efetivo cumprimento do recomendado, ou então, que se proponha ação outra que implique em responsabilizar os culpados, pois o que assistimos no dia, é a pouca, ou quase nenhuma importância dada por nossos políticos as decisões como estas, das mais sensatas e justas.

Em sessão ordinária realizada em 13/08/2015, referente a Embargos de Declaração interposto pela prefeitura municipal de Belém do São Francisco, através do seu prefeito, Gustavo Henrique Granja Caribé, contra o parecer prévio emitido sobre suas contas relativas ao exercício (Processo TCE-PE Nº 1350052-1), levou os Conselheiros da Segunda Câmara do Tribunal de Contas do Estado, nos termos do voto do Relator, a manter a decisão que recomendou a rejeição das contas daquele período.

Em seus argumentos, os conselheiros consideraram a tempestividade e a legitimidade da prefeitura em recorrer, bem como a presença dos demais pressupostos de admissibilidade do agravo, mas reconhecem também a inocorrência de omissão a ser sanada, negando-lhe provimento, mantendo com isso o inteiro teor do Parecer Prévio.

Escrito por Tadeu Sá.

Sem título

Esta semana uma foto com carnes sendo transportadas de forma exposta em uma carroça de burro foi postada nas redes sociais e logo foi compartilhada por diversas pessoas, inclusive políticos da oposição.

Com a foto um texto relatava a forma como o produto estava sendo transportado, “totalmente exposta a todo tipo de contaminação, em cima de uma carroça de burro, onde está a vigilância sanitária que não ver isso? Quero deixar claro que a responsabilidade pelo abate e transporte é da prefeitura. isto é um absurdo”, disse um político internauta, que foi procurado pelo Blog para falar sobre o assunto, não foi encontrado, mesmo assim telefonamos algumas vezes para o cidadão, mas seu telefone como sempre estava desligado.

Sem título

O fato é que a foto repercutiu bastante e trouxe preocupação, mas a prefeitura logo tratou de desmentir a notícia, postando também nas redes sociais, um texto cujo título dizia: “DE OLHO NA VERDADE

“Está circulando nas redes sociais uma imagem onde carnes bovinas são transportadas por carroças de burro. Trate-se de uma imagem antiga. Queremos deixar claro que, já há algum tempo, este tipo de serviço vem sendo realizado através de veículo adequado e com a higiene exigida pela Vigilância Sanitária”, diz o texto da prefeitura”.

Escrito por Tadeu Sá.


O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) ingressou com ação civil pública com pedido de liminar para que a Justiça determine a imediata suspensão do concurso público aberto pelo Edital nº001/2015, do município de Floresta. Além disso, o MPPE requer à Justiça que tanto o município quanto a empresa Concursos Públicos e Assessorias (CONPASS), organizadora do certame, depositem judicialmente todo o valor arrecadado a título de taxas de inscrição para que, na hipótese de anulação da contratação do concurso, os candidatos possam ser ressarcidos.

A ação civil pública, ingressada pela promotora de Justiça Evânia Cíntian Pereira Aguiar, foi motivada por denúncias de populares a respeito da idoneidade da empresa contratada para realização do certame. “Ocorre que, pelos elementos contidos em expedientes apresentados ao Ministério Público por populares do município, bem como conforme pesquisas realizadas junto a sites de busca na rede mundial de computadores, internet, a empresa supracitada, responsável pela realização do certame, fora criada por sócios ou pessoas ligadas à extinta ACAPLAM (Consultoria e Assessoria Técnica a Estados e Municípios). Com efeito, a ACAPLAM é envolvida em diversos escândalos, sendo acusada da realização de diversos concursos fraudulentos em vários municípios, em diferentes Estados do país”, explica a promotora de Justiça no texto da ação.

A promotora de Justiça ainda acrescenta que a empresa contratada para realização do concurso público de Floresta é citada na Operação QI, deflagrada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), a qual apura irregularidades em licitações na contratação de empresas para a realização de certames públicos assim como fraudes nos processos seletivos.

Diante dos fatos elencados, resta claro que a empresa CONPASS é substituta da ACAPLAM, com o objetivo de prosseguir na realização de concursos públicos, já que a imagem desta estava desgastada pelos envolvimentos em vários escândalos, inclusive com repercussão na mídia nacional”, argumenta.

Ainda no texto da ACP, a promotora de Justiça detalha como a empresa agia. “As fraudes consistiam, na maioria das vezes, em realizar concursos de cartas marcadas, para lograr aprovação de apaniguados políticos ou pessoas com envolvimentos pessoais com os gestores ou administradores, motivo pelo qual é parte nos processos e investigações”, diz.

A representante do MPPE argumenta também que, embora a empresa fosse alvo de investigações e não possuísse uma boa imagem no cenário nacional, o município de Floresta mesmo assim efetuou a sua contratação. “Ou seja, no município de Floresta, durante a condução do procedimento licitatório para a escolha da banca responsável pelo certame, deveriam ter sido observados os princípios norteadores da Administração Pública, tendo em vista haver escolhido uma empresa sabidamente envolvida em situações de fraudes em processos seletivos”, diz, acrescentando que pela proximidade do dia da prova (13 de setembro de 2015), não há tempo hábil para uma apuração mais detalhada, por isso, o pedido de liminar.

Mostra-se prudente e imprescindível a suspensão do concurso, evitando a realização da prova, com a movimentação e desgaste dos candidatos, bem como a eventual divulgação dos resultados, criando e frustrando expectativas com possíveis e futuras nulidades”, preocupa-se a promotora de Justiça.

Vagas – De acordo com o edital, são 421 vagas (3% reservadas a pessoas com deficiência), em cargos como Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão, Analista de Sistema, Arquiteto, Assistente Social, Bibliotecário, Biomédico, Bioquímico, Cirurgião Dentista (Bucomaxilo-Facial, Endodontista, Odontopediatra, Protesista), Dentista, Educador Físico, Enfermeiro, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro Ambiental, Engenheiro Civil, Farmacêutico, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Gerente Municipal de Convênios, Médico Anestesista, Cardiologista, Cirurgião Geral, Clínico Geral, Dermatologista, Endocrinologista, Nutricionista, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional, Turismólogo, Veterinário, Psicopedagogo, Agente de Combate às Endemias, Motorista “C”, Motorista “D”, Professor em diversas disciplinas,  entre outros. (Fonte: JC).

Escrito por Tadeu Sá.

Sem título

Muitos tiros, quatro grandes explosões, gritos e medo. Tudo isso foi o que passou a população da pacata cidade de Macururé, Bahia, na terça feira, dia 25 de agosto.

Diversos homens fortemente armados invadiram a cidade e explodiram o caixa eletrônico da agência do Bradesco e o cofre da agência dos Correios. Partes das estruturas dos dois estabelecimentos ficaram bastante comprometidas.

OS FATOS:

Por volta das 01h20min de terça-feira, mais de 10 homens fortemente armados cercaram a delegacia da Polícia Militar, além de algumas ruas da cidade. Durante a ação que durou mais de 30 minutos, os assaltantes dispararam muitos tiros para cima e também contra a delegacia, sede da PM e contra uma viatura policial que se encontrava no local.

Sem título

Com o certo feito, explodiram o caixa eletrônico do Bradesco e também o cofre da agência dos Correios. Populares afirmam que foram quatro grandes explosões. A Câmara de vereadores da cidade, que fica atrás da agência dos correios também foi atingida pelos disparos. Algumas residências vizinhas à delegacia foram atingidas por tiros. Felizmente ninguém ficou ferido.

Sem título

Enquanto atiravam e efetuavam as explosões, alguns bandidos cantavam, outros gritavam e, com palavrões humilhavam os policiais que estavam encurralados dentro da delegacia, inclusive o nome de um dos PMs era gritado pelos bandidos. No momento da ação criminosa, apenas três policias estavam na delegacia e o máximo que puderam fazer foi procurar um local mais seguro.

Após a ação criminosa, o bando fugiu em dois veículos de dados não anotados, com destino ignorado.

OUTROS DETALHES:

A sede da PM fica a menos de 20 metros da agência do Bradesco e a delegacia da Polícia Civil fica exatamente atrás da agência do Bradesco.

Por ser dia de feira-livre, muitos feirantes dormiam nas barracas e assim puderam presenciar a ação. “Os meliantes diziam pra gente ficar quietos de boa, pois só queriam o dinheiro das agências”, disse um feirante.

Grampos também foram jogados nas principais vias de acesso a cidade, muitos carros tiveram os pneus furados ao trafegarem pelos locais do ocorrido (Fonte e foto: Portal Formosa).

Escrito por Tadeu Sá.

Janela da Câmara de Vereadores, atingida pela explosão.

Janela da Câmara de Vereadores, atingida pela explosão.

Um grupo de jovens belemitas resolveu como forma de protestar pelo abandono que se encontra a Praça Capitão Alves, por pintá-la. A praça fica localizada entre as ruas Cel. Caribé e Coronel Trapiá, bem por trás da prefeitura da cidade, no centro da cidade. Os trabalhos segundo informaram os jovens continua neste domingo com a retirada de todo lixo do local

O trabalho de pintura foi coordenado pelo instrutor de academia, Raimundo Souza, que afirma ser candidato a vereador pela oposição, e mesmo não dispondo boas condições financeiras, consegue Raimundo fazer muito mais oposição ao prefeito Gustavo Caribé do todos seus companheiros de partido juntos.

A Praça Capitão Alves, no passado foi um dos mais bonitos cartões postais da cidade, pois ali, nos idos 70, funcionava um parque infantil, obra do então prefeito José de Sá Roriz, e ante os diversos brinquedos que existiam, sempre levava muitas crianças e pais de família ao local, mas que depois dos anos 80 para cá, foi completamente abandonada pelo poder público municipal. Além do abandono, diversos montes de lixos tomam conta do seu entorno.

parque

No final dos atos 70, tem inicio o estado de abandono da Praça Capitão Alves. Infelizmente a situação vai se eternizando. Foto: Marlindo Pires.

A decisão dos jovens de pintar a praça é uma forma de protestarem e de chamar atenção da população para o abandono que se encontram nossas vias e logradouros públicos. Afora esta ação, Raimundo sempre mostra através das redes sociais outras situações críticas que acontece. Dias deste, por exemplo, postou uma foto de uma placa completamente desfigurada, que quando colocada no local, indicava a data da entrega da obra, sendo que o tempo passou, a placa acabou-se e a entrega até hoje não aconteceu.

Escrito por Tadeu Sá.

 

É impressionante como nossa cidade e seus dirigentes demonstram não saberem lidar com a questão do lixo. Por ai é o contrário, em todos os locais sedimenta-se na consciência das pessoas o dever de proteger o meio ambiente, tanto é que é que estes lixões estão com seus dias contados, mas aqui parece que não.

Entre nós, a questão do lixo vai sendo empurrado com a barriga e o que se ver agora é que uma parte da população, sem a menor educação e princípios, e o próprio poder publico local, estão a colocar lixos onde bem querem, inclusive nas estradas que dão acesoo a cidade. O pior é que em Belém nem mesmo a imundície, as cenas degradantes e o ambiente horroroso que fica, parece não incomodar as pessoas.

Os novos pontos de lixões estão localizados na estrada da fazenda Canabrava, estrada da Barra da Tarrachil e estrada da fazenda Brandões, todos bem próximos da cidade, sendo que este último fica por traz do antigo prédio da Suvale, área urbana da cidade, a montante do Córrego Curralinho, que em época de chuva recebe toda água que vem deste lixão e logo a seguir, numa extensão de cerca de 200 metros, desemboca no Rio São Francisco, bem próximo ao ponto que captação d’agua da Compesa, cerca de 200 metros.

Estrada da Barra.

Afora estes, as noticias dão conta de que uma dezena deles estão espalhados pela cidade, um dos quais na fazenda Coqueiro, que fica bem próximo a Escola Diocesano, ao lado do Rio São Francisco.

É inadmissível que coisas como estas ainda aconteçam, e mais, sem que haja qualquer interferência por parte de quem que seja com o fim de por fim a este absurdo, e é bom que se diga que o proprietário da área já questionou a prefeitura, mas esta continua fazendo vistas grossas e não adianta dizer que não tem culpa, pois dias destes, eu Tadeu Sá, presenciei sair do locar um dos carros que recolhe lixos na cidade.

Estrada da Canabrava.

Evitar que isto aconteça não é algo que importe em grandes sacrifícios ou despesas, basta apenas uma simples campanha publicitária, com advertência severa e multas para quem ousar continuar agindo assim, e nesta questão a prefeitura pode utilizar o espaço publicitário que possui numa emissora de rádio da cidade e carros de sons que comumente são contratados. O que não pode é deixar que se continue colocando lixos em tudo quanto é lugar, deixando como futuro para nossos filhos um meio ambiente degradado e uma cidade completamente imunda.

Escrito por Tadeu Sá.

Lixão junto à antiga Suvale, na área urbana de Belém. Toda água que cai das chuvas sai dai e desemboca no Rio São Francisco, bem próximo ao ponto de captação d’agua Compesa.

 

Depois do grande esforço, finalmente a Secretária de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Brasil, autorizou a Faculdade de Ciências Humanas e Exatas do Sertão do São Francisco (FACESF), de Belém do São Francisco, a ministrar o curso de Psicologia, que deverá funcionar com um número anual de 240 vagas, sendo que seu primeiro vestibular deve acontecer no inicio do ano, em janeiro de 2016.

Trata-se de uma boa notícia, pois com isso, a Facesf, que apenas ministrava o curso de Direito, dá mais um passo a frente instituindo no seu seio mais este curso, permitindo assim que novas oportunidades de estudos surjam para aqueles que sonham com o curso.

A Psicologia estuda os fenômenos psíquicos e de comportamento do ser humano por intermédio da análise de suas emoções, suas ideias e seus valores. Ela diagnostica, previne e trata doenças mentais, distúrbios emocionais e de personalidade. Ela observa e analisa as atitudes, os sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos inadequados.

Seus profissionais atuam em consultórios, em hospitais e nas mais variadas instituições de saúde, contribuindo, do ponto de vista psicológico, para a recuperação da saúde das pessoas. Em escolas e instituições, colabora na orientação educacional.

Para o exercício da profissão é necessário registrar-se no Conselho Regional de Psicologia. O licenciado atua, em geral, no desenvolvimento de metodologias pedagógicas com os professores dos ensinos básico e médio, cursos profissionalizantes e técnicos. Pode trabalhar também na elaboração de estratégias psicossociais para ONGs, abrigos comunitários e centros socioeducativos.

OUTROS CURSOS:

Aproveitando esta oportunidade, seria a hora também de se buscar instituir no Cesvaf o curso de administração de empresa.

O curso trata-se de um estudo bastante interessante e amplo, pois pode atender todo e qualquer estudante, além de outros profissionais já formados, mas que ocupam outros ramos de atividades e ai poderia se encaixar os proprietários de supermercados, farmacêuticos, padarias, agricultores, criadores e todos os demais ramos de atividades, afinal quem não tem vontade de se capacitar mais ainda para melhorar a forma de administração sua empresa, fazendo crescer mais ainda. Por outro lado seria uma forma de fortalecer a instituição, que como sabemos, enfrenta grande dificuldade.

Escrito por Tadeu Sá.

Desenvolvido por