Sem título

Neste sábado (23), no início da noite, a prefeitura de Belém do São Francisco inaugurou e entregou a comunidade do povoado de Manga de Baixo, uma quadra poliesportiva, evento contou com a presença do prefeito e pessoas da comunidade.

O espaço, que conta com iluminação, alambrado, arquibancada, e foi construído em parceria com a CHESF (Companhia Hidroelétrica do São Francisco). A obra importou em R$140 mil.

A quadra era uma reivindicação antiga da comunidade, especialmente dos jovens, que com a obra agora passam a ter melhores oportunidades para a prática do esporte. Além da possibilidade de ser utilizada em diversas modalidades esportivas, o local pode ser usado para eventos festivos.

Com muita alegria, estamos cumprindo mais um compromisso firmado no decorrer da nossa gestão, realizando um grande sonho dos jovens da localidade“, disse o prefeito Gustavo Caribé.

Sem título

Sem título

Que esteve reunido com o prefeito Gustavo Caribé, foi a comunidade LGBT de Belém do São Francisco. O encontro também contou com as participações dos vereadores, Vanderlino Moreno e Aurora Guedes, além de diversos representantes do Conselho Municipal, Titico Soares, Cacá Fontes, Fabio Belíssima e Pedro Rocha.

O encontro de uma vez por toda selou as pazes entre o prefeito, Gustavo Caribé e Belíssima. No início do ano, o militante LGBT, informou que iria representar contra o prefeito, pois segundo ele, a prefeitura não estava cumprindo o contido em Portaria do Ministério da Saúde, que determina a implantação do Comitê Técnico de Saúde Integral LGBT. Na ocasião, Belíssima, esteve com o então promotor público da Comarca, Dr. Fernando Portela, quando solicitou a este que fosse celebrado um Termo de Ajuste de Conduta com a prefeitura para que a Legislação LGBT fosse cumprida. Belíssima, é membro do conselheiro municipal, estadual, bem como membro titular do comitê nacional de promoção LGBT da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, disse.

Na ocasião do encontro, Titico Soares, divulgou nota informando da sua satisfação pelas conquistas alcançadas: “Nesse momento, procuro palavras para expressar a tamanha felicidade, devido ao movimento LGBT de Belém do São Francisco. Compartilhar essa felicidade com todos é mais do que necessário, pois relato o quanto estamos avançando. Graças ao apoio e incentivo inédito do Governo Municipal de Belém do São Francisco, alcançamos um bom reconhecimento estadual, nacional, e agora internacional”.

Com relação ao reconhecimento internacional por parte do conselho local, disse Titico, que isto acontece em vista de que o conselho LGBT de Belém do São Francisco, servirá de referência para um trabalho de base de um estudante americano da University of Kansas, Jacob R. Longaker. Para Titico, “É a força do arco-íris “belemita”, que alcança todas as fronteiras”.

Sem título

Um apostador do vizinho município de Cabrobó, acertou sozinho as seis dezenas da Mega-Sena, e faturou o prêmio de R$ 92,3 milhões do sorteio realizado na quarta-feira (20). As dezenas sorteadas foram: 01, 10, 25, 43, 50 e 56.

Segundo informações da Caixa Econômica Federal, se colocado na poupança, o prêmio renderia mais de R$ 646 mil por mês ao ganhador. O valor também seria suficiente para adquirir uma frota de 600 carros de luxo.

Com a divulgação do resultado, muitos curiosos tem procurado a agência da Caixa Econômica da cidade com o fim fazer apostas e a pergunta insistente que não quer calar, é saber que foi o ganhador. Enquanto o apostador não aparece, muito se especula quanto ao sortudo e muitas conversas rolam pela cidade. A esperança de muitos é que ele invista na terra para gerar emprego e renda.

Enquanto Rorró, elogia a atuação de Dilma, o seu filho, deputado federal Kaio Maniçoba, disse sim ao impeachment

Enquanto Rorró, elogia a atuação de Dilma, o seu filho, deputado federal Kaio Maniçoba, disse sim ao impeachment

Anfitriã da agenda presidencial em solo pernambucano quando da última visita de Dilma as obras de Transposição do Rio São Francisco, eixo Leste, a prefeita de Floresta, Rorró Maniçoba, embora filiada ao PSB, afirmou na ocasião, que era contra o impedimento da presidente. “Quero aqui, expressar, a minha solidariedade e o meu apoio ao seu governo. Meu desejo, é que seu governo avance, que isso significa, o respeito à democracia. Torcer contra um governo referendado, pela escolha popular é torcer contra o Brasil”, expôs prefeita quando da cerimônia oficial, que marcou o acionamento da 2ª estação de bombeamento do Eixo Leste do projeto de integração do rio São Francisco.

Durante o evento, a prefeita não se intimidou em rasgar elogios a presidente, “Presidente Dilma, o momento é de dificuldade para o nosso país; mas as dificuldades são parte inevitável das nossas vidas. Enfrentar as duras realidades da vida requer coragem e enxergo coragem e determinação na sua pessoa”.

Sem título

A prefeita, como se sabe é mãe do deputado federal Kaio Maniçoba (PMDB), que diante de suas declarações, se esperava que ela interferisse junto ao filho para que votasse contra a cassação da presidente, mas isso não aconteceu. O homem é o dono do voto e como tal votou como entendeu.

Ao votar, pelo impedimento da Presidente, Dilma, Kaio Maniçoba, disse: “Senhor Presidente, chego ao alto dessa Tribuna, para proferir aqui uma célebre frase do nosso querido Ulisses Guimarães, que dizia: “A nação quer mudar, a nação deve mudar, a nação vai mudar”, e chego aqui com o orgulho de ser pernambucano, com o orgulho de ser sertanejo e de ser florestano, para dizer que voto sim a esse Impeachment”, ou seja, Kaio, não levou em consideração os argumentos da mãe, ao contrário, o deputado não enxerga na presidente Dilma, o que sua mãe afirma enxergar e que votar sim não significa torcer contra o Brasil, como disse Rorró. Uma coisa porém é certa, não é só a nação brasileira que precisa mudar e vai mudar. Floresta, Belém e tantos outros municípios do Brasil afora precisam mudar e vão ter que mudar.

NOVAES E IMPEACHMENT:

Mesmo sem direito a voto, como cidadão e deputado estadual que é, Rodrigo Novaes, se pronunciou sobre o Impeachment, e disse lamentar a falta de líderes nacionais que representem bem o povo. “A população não possui o hábito de acompanhar a política, e depois da sessão histórica fico imaginando qual a impressão das pessoas sobre aqueles pronunciamentos inconsistentes e argumentações ridículas”, disse.  Ele comentou ainda que é preciso uma reforma política. Mas, ressaltou que primeiro a qualidade de nossa representatividade deve ser melhorada.

Novaes parabenizou os deputados de Pernambuco pelos seus pronunciamentos durante a votação. “Assisti a Silvio Costa (PT do B), Ricardo Teobaldo (PTN), Zeca Cavalcanti (PTB), com a mesma tranquilidade que escutei aos que foram favoráveis ao impedimento. É essencial ter coerência para construirmos uma política de qualidade”. Rodrigo não deixou claro a quem estaria se referindo quando citou, a palavra “coerência”.

Novaes, disse, “Depois da sessão histórica fico imaginando qual a impressão das pessoas sobre aqueles pronunciamentos inconsistentes e argumentações ridículas. É essencial ter coerência para construir uma política de qualidade”.

Novaes, disse, “Depois da sessão histórica fico imaginando qual a impressão das pessoas sobre aqueles pronunciamentos inconsistentes e argumentações ridículas. É essencial ter coerência para construir uma política de qualidade”.

Sem título

O líder do Governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), conseguiu a liberação de R$ 3 milhões, junto à Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República, para a construção de três conselhos tutelares e para a distribuição de 20 kits para municípios pernambucanos.  As cidades beneficiadas com os recursos, são: Serra Talhada, São José do Egito, Poção e Serra Talhada, que serão contempladas com a verba solicitada pelo senador para a instalação dos três conselhos tutelares, um em cada município. O projeto de execução da obra é padrão, estabelecido pela SDH, e só requer alguns ajustes a depender da localidade para o seu início. Depois da realização do processo licitatório, cada unidade protetiva deverá custar cerca de R$ 600 mil.

Os conselhos têm a importante tarefa de zelar pelo cumprimento dos direitos das crianças e dos adolescentes brasileiros. Eles são criados para atuar no enfrentamento à negligência, à violência física, à violência psicológica, à exploração sexual e a outras formas de violações que infelizmente vitimam nossas meninas e meninos”, afirma. Já os kits, que serão disponibilizados com a verba conquistada pelo parlamentar e incluem um automóvel, cinco computadores, uma impressora multifuncional, um refrigerador e um bebedouro. Com estes kits, serão beneficiados os municípios: Ribeirão, Primavera, Serrita, Cupira, Quixaba, Granito, Bodocó, Pedra, Iguaraci, São Vicente Ferrer, Tamandaré, Salgueiro, Gameleira, Chã Grande, Toritama, Jurema, Cachoeirinha, Custódia, Itambé e Alagoinha. Belém do São Francisco, ficou mais uma vez ficou de fora.

De acordo com pesquisa realizada, 41% dos conselhos não têm sedes exclusivas; 44% não possuem veículo motorizado próprio; 25% não têm telefone e 37% não têm celular de plantão. ´E quase a realidade de Belém. “Temos que mudar essa realidade. O governo da presidenta Dilma já fez muito por nossos jovens e trabalha incansavelmente para reverter essa situação”, ressaltou o senador Humberto Costa.

Sem título

Depois de denúncias no sentido de que falta transporte escolar para alguns alunos da rede municipal de ensino de Riacho Pequeno, as críticas se voltam agora para os carros pipas. O problema não mais é a questão da falta d’água. Muito pelo contrário, há o liquido precioso, mas a dificuldade é no sentido de encontrar os motoristas e proprietários de caminhões pipas. As estradas estão intransitáveis e com isso muitos carros pipas não tem como chegar aos moradores.

Ha muito tempo que a Prefeitura Municipal esqueceu alguns locais e seu povo.  Em outras épocas, principalmente como agora, próximo das eleições, o poder público municipal era mais presente. Para alguns moradores, parece até que esse ano, não haverá representantes das localidades no cenário político local.

Alguns moradores fazem um apelo ao prefeito Caribé, que sempre foi preocupado com a questão da água na zona rural do município, no sentido de mandar recuperar as estradas, pois se não houver um resposta urgente, as coisas tende a piorar e o sofrimento destas pessoas vai aumentar mais ainda (Fonte: Blog Riacho Pequeno)

Sem título

Se por um lado, no caso a situação, que já tem como certa a candidatura à reeleição de Dr. Neto Lopes, ao cargo de prefeito de Carnaubeira da Penha, e segundo comentários, com Dr. Segundo, na vice, a oposição também não perdeu tempo e anunciou os nomes daqueles que irão para a disputa.

Antes, os comentários davam conta de que a oposição de Carnaubeira da Penha, lançaria o contador, Elísio Soares, irmão do capitão Jackson Soares, mas o rumo mudou, e todos selaram um acordo que indica o médico e ex-prefeito do município, por oito anos, Dr. Manoel José da Silva (PR), como pré-candidato a prefeito e como vice, o índio, Ary Bastos (PMDB).

Aliança formada reúne diversas lideranças políticas da oposição no mesmo palanque, como é o caso do próprio, Manoel José, o ex-prefeito, Tadeu Marcelo, o ex-vereador, Robério Bastos, os irmão, Elisinho Soares e o Capitão Jackson Soares, além do candidato derrotado no pleito passado, Gió Novaes, bem como grande parte dos grupos indígenas, Atikum e Pankará.

Com a decisão a oposição evita o racha que aconteceu na eleição passada, quando três candidatos, Tadeu Marcelo, Giovane Siqueira Novaes (Gió) e Doutor Neto, disputaram o pleito. Na ocasião verificou-se que a soma dos votos dos oposicionistas, Tadeu Marcelo e Gió Novaes, suplantou, Doutor Neto, então opositor, por uma diferença de 164 votos. Se unidos, poderiam ter vencido aquela eleição.

Em que pese toda arrumação política, uma coisa é certa, mesmo com a forte crise econômica que vivenciamos, Dr. Neto, pelo menos de acordo com o Índice Firjam, faz um bom governo, o que não é reconhecido pela oposição que faz fortes críticas a sua gestão.

Para que o leitor possa saber mais sobre os dois candidatos, apresentamos abaixo um quadro comparativo da gestão do então prefeito, Manoel José da Silva, com relação ao governo de Doutor Neto, primeiro ano da administração. Vale frisar que os dados referentes aos anos de 2014, 2015 e 2016, ainda não foram divulgados.

O IFDM – Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal, é um estudo do Sistema FIRJAN, que acompanha anualmente o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de 5 mil municípios brasileiros em três áreas de atuação: Emprego & renda, Educação e Saúde. Criado em 2008, ele é feito, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.

Por Tatiana Maia Lins, para o Blog do Jamildo.

Consultora em Reputação Corporativa, fundadora da Makemake Comunicação e editora da Revista da Reputação

Sem título

Veio de Pernambuco o voto favorável de número 342, que selou o prosseguimento do processo de Impeachment da presidente Dilma ao Senado, no último domingo, dia 17 de abril. Enquanto muitos comemoravam com o “tchau, querida”, eu que nunca votei em Dilma, mas que me preocupo com a imagem do Brasil, me perguntei se realmente havia o que comemorar.

Que imagem o Brasil passou para o mundo no último domingo? Qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento sobre a nossa situação e algum senso crítico conclui que a ideia passada foi a de que somos uma sociedade do deboche. Um país onde corruptos bradam contra a corrupção em cadeia nacional; onde Deus e o nome de um torturador foram usados na mesma frase como se fossem quase sinônimos; onde acordos valiosos são rasgados da noite para o dia; onde votos para um assunto sério como o Impeachment de uma presidente eleita democraticamente foram dedicados aos aniversários dos netos, aos amigos e familiares – como no programa de televisão da minha infância em que as crianças sempre mandavam beijos para a mamãe, para o papai e para a apresentadora. Ah, sim, há mais um atributo de valor que não podemos esquecer, reforçamos ao mundo também que aqui tudo acaba em festa, ainda que o ingrediente-chave desta festa seja uma alegria raivosa.

Uma análise de discurso mais profunda e menos imparcial do que a apresentada pelo Jornal Nacional no dia 18 sobre a cobertura internacional mostra que viramos piada mais uma vez. E expusemos ao mundo as nossas mazelas mais profundas. A maioria das matérias alerta sobre os escândalos envolvendo Temer e Cunha, sobre o risco de atrelar religião a políticas públicas e deixam a dúvida no ar se o processo de punição aos envolvidos em corrupção será levado adiante. Não, a situação não está tranquila nem favorável.

Se o Impeachment de Dilma entrará para a História como a salvação do Brasil ou como um golpe travestido de legalidade ainda não sabemos. Só o tempo dirá. Mas é certo que precisamos, como brasileiros, de muito mais compostura e seriedade para nos posicionarmos mundialmente como uma potência que mereça ser levada a sério.

O IMPEACHMENT AOS OLHOS DE VÁRIAS AUTORIDADES BRASILEIRAS:

Quando, o jornal exibia que o PMDB desembarcou do governo e mostrava as pessoas que erguiam as mãos, eu olhei e pensei: meu Deus do céu! Essa é a nossa alternativa de poder. Eu não vou fulanizar, mas quem viu a foto sabe do que estou falando.”

As palavras são do ministro Luiz Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal. “Quem viu a foto na “Primeira Página” da Folha sabe do que ele estava falando. Dos cinco políticos do PMDB que comemoravam o rompimento com o governo e gritavam “Temer presidente”, três são investigados na Lava Jato, sob suspeita de embolsar propina do petróleo”.

O deputado Eduardo Cunha, já é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Os senadores Romero Jucá e Valdir Raupp são alvos de inquéritos que podem virar ações penais. Os três defendem o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O ministro Barroso não foi o único a se assustar com a foto. A imagem lembrou a muita gente contrária ao governo que só existe uma alternativa de poder em caso de impeachment. Se Dilma for derrubada, quem assume é o vice-presidente Michel Temer. O PMDB, que foi sócio dos governos petistas desde 2004, passará a mandar sem intermediários. Se Temer, ou viajar, adoecer, que vai assumir a presidência da república, é justamente, Eduardo Cunha. A que ponto podemos chegar.

Alguns peemedebistas já admitem que o ato público de rompimento não foi uma boa ideia. A foto alertou a praça de que a ascensão de Temer interessa a muitos investigados da Lava Jato. Para eles, o vice traz a esperança de um acordão que freie as investigações.

Esta é a foto que assusta. Nela estão: Eduardo Cunha, que já é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e os senadores, Romero Jucá e Valdir Raupp, que são alvos de inquéritos que podem virar ações penais. Quem acredita que Michel Temer, como presidente e Eduardo Cunha, como vice, não vão interferir para evitar apuros a si e a seus amigos?

Esta é a foto que assusta. Nela estão: Eduardo Cunha, que já é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e os senadores, Romero Jucá e Valdir Raupp, que são alvos de inquéritos que podem virar ações penais. Quem acredita que Michel Temer, como presidente e Eduardo Cunha, como vice, não vão interferir para evitar apuros a si e a seus amigos?

Outro que embora não esteja na foto, mas que é dos que luta insistentemente pela derrubada de Dilma, é Líder do DEM, deputado Pauderney Avelino, que recentemente foi condenado a devolver aos cofres públicos a importância R$ 4,6 milhões. Uma baita quantia.

Pauderney Avelino, foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) a devolver R$ 4,6 milhões aos cofres públicos do Amazonas e multado em R$ 23 mil. A acusação é de que Pauderney, no período em que era secretário da Educação de Manaus, teria superfaturado contratos de imóveis alugados pela prefeitura para a instalação de escolas.

Ao se explicar, Pauderney, disse que foi pego de “surpresa” com a determinação, que classificou como “esdrúxula”. Ele também responsabilizou o PT, afirmando que a condenação é consequência de um “ataque” da legenda contra ele. Significa dizer, que quando é Dilma, o que dizem é verdade, quando não é, no caso do deputado é mentira. Sinceramente.

Sem título

Quem também criticou a medida, foi ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que afirmou que o processo de impeachment, mesmo previsto na Constituição, pode ser “traumático” e só deve ser usado com “precisão quase científica“.

Barbosa, fez críticas às justificativas dos deputados que votaram o processo na Câmara, no último domingo (17), “Impeachment é uma formidável ferramenta contra majoritária. É inerente ao próprio sistema presidencial de governo. É previsto na nossa Constituição, em uma lei federal e em normas regimentais da Câmara e do Senado“, escreveu o ex-ministro.

 “Mas o que pouca gente sabe, e os que sabem fingem não saber, é o seguinte: Impeachment é uma bomba! É um mecanismo legítimo, mas traumático; necessário, mas deve ser usado com precisão quase científica. Regenerador em alguns casos, mas em outros pode se revelar destrutivo, convulsivo, provocador de “rachas” duradouros na sociedade“, opinou Barbosa.

Segundo Barbosa, o impeachment foi criado em uma sociedade de outra época, “em que ainda predominavam as ‘guerras das facções“. “Foi concebido por pessoas que criavam normas para o presente, mas pensando na sua aplicabilidade no futuro, algumas gerações à frente“, disse Barbosa, citando James Madison e Alexander Hamilton, duas figuras marcantes na elaboração da Constituição dos Estados Unidos após a independência do Reino Unido, em 1776.

Se a presidente Dilma Rousseff sofrer impeachment com base nas chamadas “pedaladas” fiscais, pelo menos 16 governadores também deveriam ser afastados pelo mesmo problema”, disse o ex-desembargador, Francisco de Queiroz Bezerra Cavalcanti, hoje professor titular de Direito na Universidade Federal de Pernambuco.

Cavalcanti é um dos juristas convidados a discursar no “Encontro de Juristas pela Legalidade e em Defesa da Democracia”, realizado no Palácio no Planalto. O evento foi organizado como espécie de contra-ataque ao que os governistas entendem como atropelos da Justiça, especialmente do juiz federal Sérgio Moro.

Segundo Cavalcanti, os atrasos nos repasses do Tesouro a bancos públicos, práticas popularizada como “pedalada”, não são suficientes para o impedimento da presidente. “Se nós entendemos que é suficiente, temos que afastar pelo menos 16 governadores”, disse ele, sob calorosos aplausos da plateia presente na solenidade.

O jurista também criticou o “timing” de Moro na abertura do sigilo dos grampos feitos no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo ele, o juiz responsável pela Lava-Jato tirou o sigilo das escutas no mesmo instante em que soube que Lula tinha sido nomeado ministro e que, por isso, não poderia ser investigado em Curitiba.

O IMPEACHMENT AOS OLHOS DO MUNDO:

A imprensa europeia destacou na segunda feira passada (18/04) a derrota sofrida pela presidente Dilma Rousseff, com especial atenção para o comportamento dos deputados federais no plenário, a quem tratou como sendo a “Insurreição de hipócritas”.

Numa análise assinada pelo correspondente Jens Glusing e intitulada “A insurreição dos hipócritas”, o site da revista Der Spiegel, afirma que o Congresso brasileiro mostrou sua “verdadeira cara” e, com o uso de meios “constitucionalmente questionáveis”, colocou o “avariado navio Brasil” numa “robusta rota de direita”.

A maior parte dos deputados evocou Deus e a família na hora de dar o seu voto. Jair Bolsonaro até mesmo defendeu, com palavras ardentes, um dos piores torturadores da ditadura militar”, escreve o jornalista, que lembra que tanto o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, como o vice-presidente Michel Temer são alvos de investigação por corrupção.

O site do seminário alemão Die Zeit afirma que a votação na Câmara “mais parecia um carnaval” e que uma pessoa desavisada que visse a sessão não poderia ter a gravidade da situação. “Nesse dia decisivo para o destino político da sétima maior economia do mundo, o que se viu foram horas de deputados aos berros, que se abraçavam, tiravam selfies e entoavam canções”, relata o correspondente Thomas Fischermann.

Nos discursos dos representantes do povo havia tudo o que se possa imaginar: lembranças aos netos, xingamentos contra a educação sexual nas escolas, paz em Jerusalém, elogio a um torturador do antigo governo militar, o jubileu de uma cidade e assim por diante”, afirma o jornal.

Já o diário alemão Suddeutsche Zeitung, destaca que “inúmeros parlamentares que impulsionaram o impeachment de Dilma são, eles próprios, alvos de processos por corrupção”. O correspondente Benedikt Peters lembra que o processo contra Rousseff é controverso, e que o processo contra ela é considerado político. “Contra Dilma nenhum ato de corrupção foi provado.”

Segundo o jornal britânico The Guardian, um congresso “hostil e manchado pela corrupção” votou pelo impedimento da presidente. “Uma derrota esmagadora”, afirma o jornal, que também destaca a votação no plenário. “O ponto mais baixo foi quando Jair Bolsonaro, o deputado de extrema direita do Rio de Janeiro, dedicou seu voto a Carlos Brilhante Ustra, o coronel que comandou a tortura do DOI-Codi durante a era ditatorial”, e levou “uma cusparada do deputado de esquerda Jean Wyllys”.

Para o jornal, é “improvável” que Temer também perca suas funções se for provado que ele praticou as chamadas “pedaladas fiscais”, já que tem “forte apoio” da maioria dos deputados.

O jornal espanhol El País diz que a aprovação do impeachment era mais do que esperada e que Dilma “está a um passo” de ser tirada do poder”. “Dilma Rousseff recebeu um empurrão, talvez definitivo, para sair da presidência do Brasil pela porta de trás da história”, diz o artigo. “Uma derrota completa para o governo e Rousseff.”

O El País, diz que a votação na Câmara foi marcada por tumulto e “cânticos um tanto ridículos às vezes” e destaca que a condução de Cunha, acusado de manter contas milionárias na Suíça com dinheiro da Petrobras, é “um sintoma da estrutura moral de boa parte do Congresso brasileiro”.

De acordo com o jornal espanhol, o “capital político” da presidente “será completamente diluído” com o voto favorável do Senado, “coisa que agora parece muito provável”, e o posterior afastamento dela do cargo por 180 dias, como prevê o rito do impeachment.

O francês Le Monde destaca a “descida ao inferno de Dilma Rousseff”, dizendo que até as últimas horas “ela acreditou” no voto dos 54 milhões de brasileiros que a elegeram em 2014. O jornal diz que o marketing do governo sobre a prática de “golpe” contra a presidente não teve sucesso, apesar de boa parte dos deputados favoráveis ao impeachment também serem acusados de corrupção.

Por último, para revista americana, “A The Economist”, a culpa pela situação não é apenas de Dilma, mas de toda a classe política brasileira. “O fracasso não foi feito apenas pela senhora Rousseff. Toda a classe política tem levado o País para baixo através de uma combinação de negligência e corrupção. Os líderes do Brasil não ganharão o respeito de volta de seus cidadãos ou superarão os problemas econômicos a não ser que haja uma limpeza completa“, diz o texto do editorial.

O IMPEACHMENT AOS OLHOS DE TADEU SÁ:

Para começar, digo que o impeachment não é golpe, já que trata-se de matéria regulada pela lei brasileira e quando necessário deve ser aplicado. Por outro lado entendo, que não havendo crime aos olhos da justiça, aí sim, a aplicação do instituto será um golpe fatal na frágil democracia brasileiro.

Também entendo que de dias passados para cá, a presidenta Dilma, abatida pelas denúncias de corrupção que se alastrou no seu governo, enfrenta uma oposição raivosa e sistemática, bem como a conivência de um imprensa parcial, de tal forma a deixar sua governança insustentável, e sendo assim, não tem ela como se manter à frente do país, principalmente em vista da crise que é séria, ninguém sabe onde vai chegar e que em pouco tempo ninguém será capaz de debelar.

Entendo portanto que o afastamento dela é necessário, agora deixar no comando da pátria aqueles como o próprio Temer, que faz parte de um governo que alegam ser corrupto, e na linha sucessória, o presidente do Congresso Nacional, deputado Eduardo Cunha, é um absurdo sem proporções. Estou então na linha que defende que Dilma deve sair sim, mas que também devem ser afastados, tanto o vice-presidente, Michel Temer, como o deputado Eduardo Cunha.

E qual seria então o caminho? A presidenta Dilma, deveria ter a humildade de convocar o Congresso Nacional e propor ao país eleições gerais já, unificando a partir daí as eleições em todo Brasil. Não dá mais para continuar como estar. A maioria esmagadora do povo brasileiro não acredita em nenhum dos que estão ai, naqueles que estão na linha de frente dos problemas brasileiros. Economia devastada e clima político insustentável.

Agora é preciso que se diga uma coisa, o ex-presidente Lula e sua sucessora, a presidente Dilma, abriram para o justiça brasileira o direito de investigar com profundidade e de punir indistintamente, inclusive os ricos e poderosos, isto ninguém pode discordar. Também pode ser dito, que acaso Temer assuma a presidência, tanto ele como seus achacadores irão sabotar esta conquista que hoje é de suma importância para a nação e para o cidadão brasileiro de bem. Acreditar que os achacadores serão punidos estando na frente da nação, nem pensar. A primeira coisa que tem que ser feita acaso Temer chegue ao governo, é a mudança nos mistérios, diretorias, secretarias e neste caso chega-se ao comando da Policia Federal, que hoje graças a Lula e Dilma, exerce o seu papel importante e de total independência, um papel que orgulha quem é de bem.

Com toda sinceridade, também posso afirmar que a pátria brasileira alcançou importantes conquistas durante o governo petista, em especial o nordeste, o estado de Pernambuco e a região. Agora é preciso que se diga também, que o PT ao chegar ao governo, encontrou como fruto de uma quadrilha oriunda do PSDB, do PFL, PMDB, DEMOCRATAS, e tantos outros partidos especialistas em assaltar a nação, e ao invés de apurar e punir os responsáveis com todo rigor, dando exemplo a nação, aprimorou o roubo e o pais continuou sendo assaltado de forma vergonhosa. Também compreendo que tudo que acontece no país, igualmente acontece em quase todos os municípios brasileiros, mas poucos prefeitos e vereadores conseguem irem para a cadeia. É escancarada a irresponsabilidade e o roubo que acontece em muitas e muitas prefeituras do Brasil afora. Uma verdadeira praga.

Também entendo que o PT, como com quem ele procede, deve pagar pelo que fez, e o afastamento de Dilma e Temer é uma necessidade imperiosa. A pátria exige isto e o caminho mais sensato e correto seria o da justiça eleitoral em vista do uso escandaloso de recursos púbico em suas campanhas. Este seria o caminho para restabelecer a ordem, mas que antes, teria que mandar Cunha para a cadeia.

O PT deve ser penalizado sim e muito bem penalizado, pois ao chegar no cargo de presidente, abdicou do seu discurso, do seu ideal, e ao invés de fortalecer seus militantes políticos, fomentando um nova geração de homens decentes, deixou tudo de lado e a passou a ter como companhia, Temer, Renan Calheiros, Sarney, Delfim Neto, Edson Lobão, Eduardo Cunha, Jader Barbalho, Severino Cavalcante e tantos outros elementos nocivos a pátria. O povo não entende como se pode combater o mal, se juntado ao mal.

O PT tem sim que pagar pelo que fez, principalmente quando deixou de promover as rupturas que o país necessitava. Os banqueiros foram por demais agraciados, as faculdades particulares implantadas no Brasil, as emissoras de rádio e televisão, as obras importantes continuaram nas mãos daqueles que não tem compromisso com a nação. A Rede Globo de Televisão, fomentadora do impeachment de Fernando Color de Melo, permaneceu intocável, o que acontecia a contra gosto dos ideais de Leonel Brizola. Hoje a Globo estar ai, quase que 24 horas por dia para a falar do impeachment e a anunciar ao mundo os escândalos do PT de cada dia, mas que pouco fala sobre os escândalos que acontece no governo paulistano.

Às vezes é preciso apanhar para aprender. O PT tem que aprender a gerir a coisa pública com responsabilidade, a escolher melhor suas companhias, e a entender de uma vez por toda que é um partido do trabalhar brasileiro, e não das elites. O PT tem que aprender a se alinhar com partidos ideologicamente mais próximo, e não com PFL, PDS, PMDB, PP, PSDB, PR, PSD e tantos outros. Isto é o que acontece no Brasil e em Belém também. Estes partidos aniquilaram Dilma e o PT, mas infelizmente o PT não quer aprender. Esperem as eleições e todos vão ver caçados e caçadores bem juntos, num mesmo palanque. Vergonha é coisa para poucos.

Sem título

Até que enfim, o prefeito Gustavo Caribé, encontrou e anunciou ao mundo político de Belém, o nome do seu candidato a prefeito com vistas as próximas eleições. Trata-se do médico e ex-prefeito do município, Hugo Carvalho. Após o anuncio, uma saraivada de fogos estrondou no céu belemita, o que continuou até a madrugada de segunda feira.

Em sendo anunciado, o escolhido não perdeu tempo e logo postou um áudio nas redes sociais, onde diz: “Pessoal, eu estou de volta, a máquina do hospital voltou, depende agora de vocês. Se vocês quiserem votem em mim para fazer um Belém melhor”. O áudio, com pedidos explícitos de votos pode render problemas futuro junto à justiça eleitoral. Por outro lado, Hugo, rapidamente esqueceu que passou todo tempo negando que fosse candidato. Segundo afirmava, não possuía condições financeira.

ÚLTIMA CARTADA:

Dr. Hugo, como é mais conhecido, chegou a indicação após o também médico, Alexandre Torres, abdicar da possibilidade de disputar o pleito. Outro nome também indicado, foi o do comerciante, Deoclécio Lustosa, mas esta postulação não resistiu uma semana. A partir daí o nome de Hugo, passou a ser uma espécie de última cartada, já que o grupo Caribé e seus interesses, não ver outro nome que possa motivar a militância, e força para que possa oferecer uma resistência maior as candidaturas já postas.

Licínio, Socorro e Hugo, formam o trio que disputarão as próximas eleições. Resta agora os nomes dos vices. Na chapa de dois deles, muita dor de cabeça pela frente.

Licínio, Socorro e Hugo, formam o trio que disputarão as próximas eleições. Resta agora os nomes dos vices. Na chapa de dois deles, muita dor de cabeça pela frente.

QUEDA DE BRAÇO:

Com a indicação para o cargo principal, o de prefeito, na ocasião deixou-se de anunciar o nome do companheiro de chapa. O que se sabe, é que há uma forte queda de braço pela vaga, onde muitos postulam, mas o nome que surge com maior possibilidade é o do vereador, Cícero Batista. Batista, que diz que não quer sob alegação de ser uma aventura deixar a profissão de advogado, para ser vice prefeito, já que ficaria impedido de exercer a profissão. Segundo Batista, após cumprir o mandato, certamente encontraria um campo ninado de advogados, o que pode lhes renderia dificuldades. Acontece que em política, muitos dizem uma coisa, mas fazem outras, como é o caso do próprio candidato, Hugo Carvalho. Também há quem diga que a negativa de Batista, é pura balela, conversa para acalentar até os últimos dias os demais pretendentes.

Mesmo que aconteça o contrário, de Batista Cícero, não ir para a disputa, o cargo tem também como cotado, o empresário, Gilmar Freire. Os dois nomes no entanto tem deixado o vereador Henrique Marcula, insatisfeito, que ante o que acontece, vai saindo do núcleo político de Gustavo. Uma fonte intimamente ligada ao vereador, que é pai do atual vice-prefeito, Cristiano, disse ter certeza que o cargo de vice será ocupado por Batista ou Gilmar, e diante disto o rumo político do advogado e seu filho fica incerto. Pelo visto, a escolha vai se arrastando até a convenção que escolherá os candidatos, mas antes disto Henrique deve anunciar uma decisão, ser candidato, apoiar Licínio, ou a ponte menos traumática, apoiar Socorro Batista.

 

Fora da disputa de mais uma vice, vereador Henrique Marcula e vice, Cristiano, devem em breve anunciar decisão: Permanecer no grupo Caribé sem direito a nada, aderir a Licínio sem ser candidato a vice e sem perspectiva de futuro político, ser candidato a prefeito um tanto desestruturado, ou apoiar, Socorro Batista e com ela formar definitivamente uma terceira via forte que combata os dois grupos.

Fora da disputa de mais uma vice, vereador Henrique Marcula e vice, Cristiano, devem em breve anunciar uma decisão: Permanecer no grupo Caribé será nadar, nadar e morrer na praia, aderir a Licínio será um caminho sem perspectiva de futuro político, ser candidato a prefeito´é complicado já que não possui bons nomes para vereador e um partido forte, ou apoiar Socorro Batista, e com ela formar de uma vez por toda uma terceira via forte que combata os dois grupos.

DE VICE PARA PREFEITO:

Ex-prefeito do município no período de 2003\2004, Hugo chegou ao cargo de prefeito pela fatalidade, após o falecimento do prefeito, Aníbal Roriz, de quem era vice-prefeito e com quem desde o início da gestão alimentou profunda divergência política, a ponto inclusive de romper e de fazer manifestações pela cidade. A partir daí, deixou a Belém, fechou a clínica que possuía e passou trabalhar na cidade de Floresta. Com o falecimento de Aníbal e consequentemente sua posse no cargo de prefeito, abandonou seus aliados, aqueles que lhes apoiou na sua eleição de vice e passou a administrar com seus principais adversários, as famílias Lustosa e Caribé. Ao tentar se reeleger, no pleito de 2004, a família Lustosa, embora tendo sido agraciada com a Presidência da Autarquia Municipal de Ensino Superior, lhes deu as costas, mas ele manteve a união com o então prefeito, Manoel Caribé, colocando-o como vice na sua chapa, quando foi fragorosamente derrotado por Helionaldo Lustosa, por uma diferença de cerca de 2 mil votos. Nesta eleição, a chapa Hugo\Caribé, teve seu registro indeferido pelo TSE, e por isso os votos obtidos pelos dois foram considerados nulos pela Justiça Eleitoral.

BELÉM, ADEUS:  

A candidatura de Dr. Hugo, embora traga mais consistência e motivação ao grupo Caribé, terá que remover inúmeros obstáculos. Nos oito anos de administração, Gustavo Caribé, amealhou muita insatisfação e por isso perdeu importantes aliados, e até mesmo ter que justificar o porquê de após ser derrotado na sua reeleição, ter vendido a própria casa e ter ido embora, inicialmente para a cidade de Ipojuca, na grande Recife e depois para Petrolina, ou seja, mesmo podendo ajudar o governo de Gustavo Caribé, na combalida Secretaria de Saúde, cuja gestora é sua prima, pessoa que indicou, largou tudo de lado e foi embora, esporadicamente aparecia na terra e com isso a prestação pelo seu prefeito, hoje seu maior cabo eleitoral, de uma saúde precária, sem médicos como o próprio Hugo, e muitas acusações de que pessoas estavam à míngua. A Saúde, é um dos grandes calos do governo Caribé, e a “máquina do hospital”, como se auto define Doutor Hugo, não fez nada para desemperrá-la e por isso o povo sofre duramente.

Na campanha passada, nas palavras de Dr. Hugo, muitas promessas de que os filhos de Belém iriam nascer aqui, no hospital local, mas nada disto aconteceu. Nossas mães continuaram parindo em Floresta, em Salgueiro, menos em Belém. Isto o povo não deve ter esquecido, nem mesmo o fato de que teve muitos plantões sem médicos e outros que o médico abandonava para outros fins.

Os motivos pelos quais, Dr. Hugo foi embora, nunca restou esclarecido, muito se fala na questão profissional. Talvez, Belém não possuía a época condições de ofertar a ele o que ele pretendia, quem sabe, melhores condições salariais. É evidente que lá fora, com a profissão e o conhecimento que possui, tem ele mais oportunidade de sucesso, mas largar tudo isto agora e voltar para disputar uma eleição de prefeito que será muito difícil, significa dizer que a prefeitura oferece outros atrativos que sem ele à frente, não terá. Não devemos esquecer contudo que há quarenta anos atrás, Belém, possuía oito médicos residindo na terra, hoje só resta um, e sabe onde médicos belemitas estão? Em Itacuruba, em Salgueiro, Petrolina, Petrolândia, Recife e tantas outras cidades.

MESMA COISA:

Sem título

O fato de Hugo ter ido embora, não é uma situação apenas vivenciada por ele. O também pré-candidato, Licínio Lustosa, alegando questões pessoais, logo depois de derrotado nas urnas de 2012, deixou Belém e foi embora para Recife, apenas em certas ocasiões aparecia na terra. Como Dr. Hugo, algum tempo depois desmontou a casa que utilizava como residência.

O interessante é que dias destes, na Rádio Canabrava FM, após uma crítica do pré-candidato, Licínio Lustosa, sobre o abandono que Belém vivia, Gustavo cutucou seu adversário afirmando que ele não residia em Belém, mas hoje, Gustavo não consegue enxergar que seu candidato também não reside na terra, e com isso, o muito ou o pouco que aqui ganham, gastam lá fora, a empregada doméstica é do lugar onde residem, a faxineira, a padaria, a quitanda, o mercado, a farmácia, o restaurante, a lanchonete, os bares, o posto de combustível, o dentista, pedreiro, o pintor, o encanador, o cabeleireiro, a manicure, todos são de fora. É dinheiro que deixa de ser aplicado na terra, para ser aplicado em outros lugares, ou seja, nenhum deles contribui com a economia local, com a geração de emprego para nossa gente humilde e que tanto precisa. A própria prefeitura é um cabide de emprego desmedido de pessoas, muitos deles parentes destes políticos, que não reside na terra, mas todo mês seus salários seguem para suas contas e assim possam quitar suas forasteiras despesas

É triste ver que na terra, antes conhecida como a terra dos doutores, das ilustradas faculdades, não se apresente aos olhos dos chefes políticos, Lustosa e Caribé, os mesmo de sessenta anos atrás, um cidadão ou uma cidadã com condições  de governar a terra com quem de fato faz ela, com quem sem fugir da luta, de uma forma outra aqui permanece aqui, de pé, lutando para que Belém não se cabe nas mãos destes governantes. O povo livre e ordeiro desta terra tem que olhar com mais atenção para o que acontece em nossa volta.

NADA SABEM:

Na verdade, ante uma situação e outra, pela primeira vez Belém, poderá ter então um prefeito, acaso Socorro não seja a eleita,  que não reside no município e que por isso muito pouco sabem a respeito dos enormes problemas que nos cercam, como é o caso da saúde precária, educação abandonada, imoral renúncia de receita, empreguismo desenfreado, privilégios para os parentes, previdência social falida, cidade imunda e esburacadas, salários atrasados, carros do município retidos em oficinas por falta de pagamento, aumento irreal na taxa de iluminação pública, contas aprovadas pelos vereadores em desacordo com o TCE (muitas delas envolvendo familiares e amigos dos dois candidatos), cobrança de débitos de forma pública e humilhante, aumento absurdo da dívida municipal, diminuição no número da população, índices oficiais horripilantes, gestão fiscal avaliada como a pior do Brasil. Em que pese tantas mazelas, não se conhece qualquer palavra de Licínio ou de Dr. Hugo, repudiando o que tristemente acontece, ou seja, todos passaram os últimos anos de boca fechada, de olhos vendados. Nada viram, nada sabem.

Na verdade, se estes pré-candidatos já andam pouco na cidade, e que em nada se insurgem contra os desmandos que reina de forma absoluta, logo pairam grandes dúvidas quanto ao nosso futuro. Imagine uma cidade com um prefeito residindo em Petrolina, ou no Recife. Quem será que vai administrar o município? Nenhum deles tem mãe por aqui.

 

Mais uma vez, vereadores governistas desprezam resultado do TCE.

Mais uma vez, vereadores governistas desprezam resultado do TCE.

Ignorando solenemente o Parecer do Tribunal de Contas de Pernambuco, os vereadores de Belém do São Francisco, demonstrando alto saber contábil, desconsideraram em reunião que aconteceu no dia 04, a recomendação do TCE, no caso o parecer ofertado por técnicos do mais alto gabarito que determinava a rejeição das contas do prefeito Gustavo Caribé, exercício 2012. O placar mais uma vez foi de oito votos pela aprovação e três contra.

Antes porém de ser submetido à apreciação pelos vereadores, a prestação de contas foi encaminhada à Comissão de Finanças da Câmara, a qual recomendou que a mesma fosse aprovada e com isso começava aí a desconstituição daquilo que sugeriu o Tribunal. Na Comissão o parecer contou com os votos favoráveis do vereador, Henrique Marcula Lima e seu irmão, Vanderlino Moreno. O voto contrário, foi do vereador oposicionista, Valdir Moreno.

Com o parecer da Comissão da Câmara, as Contas seguiram para apreciação pela integralidade dos vereadores que compõe a casa legislativa local, sendo que após discutirem a matéria, votaram contra a recomendação do TCE, portanto favorável ao prefeito e contra o TCE, os vereadores, Batista Cícero, Aurora Guedes, Vandinho Marcula, Acácio Eufrásio, Antônio de Eurípedes, Henrique Marcula, José Neto e Quincas Valdivino.

O resultado em si surpreendeu, já que os vereadores Acácio Eufrásio e Quincas Valdivino, votaram com os interesses do prefeito e contra a determinação do TCE, isto em face do primeiro ter anunciado dias antes o seu desligamento do PSB, partido do prefeito e dos comentários do próprio Acácio, de que ainda não teria decidido quanto a futura eleição, o que se entende como insatisfação, razão pela qual se esperava que votasse com a determinação do TCE. Já, Quincas Valdivino, foi longe demais, além de romper com o prefeito, anunciou sua ida para o lado de uma das oposições, ou seja, para o lado do pré-candidato, Licínio Lustosa, e passou a tecer violentas críticas ao prefeito, a ponto inclusive de dizer que Gustavo, abandonou o Ibó e região. Afora isto, Quincas ainda teria dito aos quatro cantos que iria se abster de votar nas contas referidas, o que importaria se fosse o caso, em derrota para Gustavo, mas não, Valdivino não cumpriu a promessa e votou de acordo com os ex-colegas, voto este que gerou muitos comentários negativo na cidade. Os votos pela manutenção do Parecer do Tribunal de Contas, foram dos vereadores, Valdir Moreno, Ana Magalhães e Vavá do Bode. Ao votar, Vavá se penitenciou ao dizer que por equívoco, em outras ocasiões votou contra alguns pareceres do Tribunal, mas que agora não, votava contra.

Foto: Isaurino Brasil.

Foto: Isaurino Brasil.

Foto: Isaurino Brasil.

Foto: Isaurino Brasil.

Mesmo Joaquim observando e mostrando os problemas que o Ibó enfrenta, na hora “h” esqueceu tudo, inclusive que hoje é oposição e votou favorável a uma prestação de contas que o TCE recomenda a sua rejeição. Foto: Isaurino Brasil.

Mesmo Joaquim observando e mostrando os problemas que o Ibó enfrenta, na hora “h” esqueceu tudo, inclusive que hoje é oposição e votou favorável a uma prestação de contas que o TCE recomenda a sua rejeição. Foto: Isaurino Brasil.

Com o resultado, e por necessitar o prefeito de oito votos para a aprovação, conseguiu graças aos vereadores do seu grupo e um que agora se apresenta com oposição sem ser, manter a escrita de não ter qualquer das contas do seu governo rejeitadas pela Câmara, mesmo determinando o TCE o contrário. Acontece que mesmo com a vitória, se de fato houver irregularidades, as contas serão enviadas ao Ministério Público, que poderá oferecer denúncia. Nada impede que isto aconteça.

 

 

 

Desenvolvido por