Em sessão do Pleno, realizada na última quarta-feira, 11, o Tribunal de Contas de Pernambuco negou provimento ao recurso ordinário apresentado pelo prefeito de Belém do São Francisco, Gustavo Henrique Granja Caribé, contra decisão desta Casa (TC nº 1.320/15), que julgou irregular o objeto de uma Auditoria Especial realizada em 2014 no município e que resultou em aplicação de multa ao prefeito e ordenador de despesas. A auditoria (TC nº 1502201-8), que teve como relator o conselheiro Marcos Loreto, apontou vários problemas nas condições do ensino ofertado aos alunos da rede pública municipal e na estrutura física das escolas.

CONDIÇÕES PRECÁRIAS – Muitas das unidades de ensino, de acordo com os auditores, encontravam-se em situação gravíssima, funcionando em pequenas casas de taipa, desprovidas dos mínimos padrões de infraestrutura, estabelecidos nos Planos Nacional e Municipal de Educação (ver imagem). “O Município de Belém de São Francisco tem uma realidade bem aquém do restante do país. Nas 43 unidades escolares visitadas, foi observado que mais da metade (55,81%) não apresenta aspectos de infraestrutura elementares para o funcionamento de uma escola, tais como água, banheiros, energia elétrica, esgoto e cozinha“, diz o relatório.

A real situação das nossas escolas. As que ficam abaixo, são as escolas, Vereador José Roriz de Menezes e escola, Neura Maria Nascimento, a primeira fica na Ilha Grande, a segunda, na fazenda Malhada Vermelha. Que situação.

A real situação das nossas escolas. As que ficam abaixo, são as escolas, Vereador José Roriz de Menezes e escola, Neura Maria Nascimento, a primeira fica na Ilha Grande, a segunda, na fazenda Malhada Vermelha. Que situação.

No recurso, o prefeito alega que foram implementadas todas as medidas possíveis para a melhoria do ensino municipal, a exemplo de construções, reformas e ampliações de escolas. Mas, de acordo com o voto do relator do processo (TC nº 1506947-3), conselheiro Valdecir Pascoal, as ações não foram suficientes para desfazer as graves infrações identificadas no setor educacional do município. “Não se consegue nem por termos leigos ou da linguagem jurídica descrever situações a que se depara em alguns Entes da Federação. Este um desses casos“, disse o conselheiro em seu voto.

As medidas porventura adotadas nos exercícios financeiros subsequentes não possuem o condão de sanar graves mazelas encontradas à medida que o Executivo local ofereceu ensino de irrelevante qualidade e uma estrutura e serviço de ensino com mínimas condições para se frequentar as unidades escolares municipais. Inclusive, importou em riscos à incolumidade física dos que utilizavam os recintos das unidades escolares, numa situação degradante e inadmissível no Estado Democrático de Direito a que se constitui a República brasileira“, afirmou.

OMISSÃO – O relator apontou omissão por parte do prefeito, uma vez que, mesmo sendo chefe do Executivo desde 2009, não teria adotado nenhuma medida para evitar que a situação chegasse a tal ponto. “Não se pode admitir ou tolerar em pleno Século XXI o Poder Público dispor à sociedade, em especial às crianças e adolescente a que a Carta Magna outorgou maior tutela, ensino de inferior qualidade e, principalmente, em estruturas físicas sub-humanas“. disse o relator em seu voto.

Além de negar provimento ao recurso impetrado pelo prefeito, o conselheiro relator determinou o envio de cópia dos autos ao Ministério Público do Estado de Pernambuco, ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público do Trabalho. Também ficou estabelecido que a Coordenadoria de Controle Externo do TCE fiscalize o setor educacional do Município no presente exercício financeiro, tanto em relação à qualidade do ensino, quanto à estrutura física das escolas.

O voto do conselheiro Pascoal foi aprovado por unanimidade pelo Pleno do TCE e recebeu elogios dos conselheiros Carlos Porto e Teresa Duere e do procurador geral do Ministério Público de Contas, Cristiano Pimentel. (Fonte: Gerência de Jornalismo (GEJO), 16/05/2016).

 

Executado covardemente, autor do crime foi condenado a mais de 20 anos de prisão.

Foi condenado, no dia 5 de maio, pelo Tribunal do Júri da Comarca de Belém do São Francisco, o réu, Sidivan Aparecido dos Santos, mais conhecido como “Mãozinha”, que na comarca responde pelo crime que foi vítima o menor, Benício, de oito anos de idade.

O crime aconteceu, no dia 08 de fevereiro de 2015, por volta das 14h00m, na Fazenda Canta Galo, zona rural de Belém do São Francisco-PE, e chocou toda comunidade.

Segundo a denúncia, o acusado desferiu golpe de pau na cabeça da vítima, que tinha apenas 08 (oito) anos de idade, enquanto esta se debatia devido aos golpes de faca que recebeu de outro adolescente, de nome I.D.S. Após ceifar a vida do menor, o acusado arrastou o corpo para o interior da catinga, deixando ser estragado pelo tempo e até por animais. Cena sem dúvida, repugnante.

Além de responder pelas penas previstas nas sanções do art. 121, § 2.º, incisos I e IV, o acusado também respondeu também por crime previsto no 217-A (estupro de vulnerável), todos do Código Penal.

No julgamento, por maioria o conselho de sentença, reconheceu à autoria por parte de Sildivam, em relação ao crime de homicídio e também, por maioria de votos, reconheceu as qualificadoras do motivo torpe e de recurso que impossibilitou a defesa do ofendido. Também por maioria de votos, os jurados acolheram a tese por insuficiência de provas, quanto à autoria em relação ao crime de estupro de vulnerável.

Diante da decisão proferida pelo Conselho de Sentença, o Magistrado presidente do Júri, condenou “Mãozinha” a pena de 20 (vinte) anos e 3 (três) meses de reclusão, pena que será cumprida no Presídio Regional de Petrolina.

Foto Montagem: Lorena Carvalho (internet).

Na sexta feira, 7 de maio, o município de Belém do São Francisco, completou mais um aniversário da sua emancipação política, e com ele, embora tantos anos depois, muitas injustiças sociais ainda perduram. Na realidade o pouco que foi feito dissipou-se ao longo dos anos, e com isso Belém tem muito terreno perdido a recuperar. Não é à toa que todos falam na baixa autoestima de sua gente.

Em que pese tantas dificuldades, Belém tem na sua natureza um dos cenários que impressiona por sua grandiosidade. São oitenta e oito ilhas fluviais que estão ao lado nascente da cidade, todas arrodeadas pelo majestoso rio São Francisco, formando os melhores solos do mundo. Do outro, um mar de água doce, o maior lago artificial de Pernambuco, um dos maiores do Nordeste e do Brasil. Por conta de tudo isto, centenas de quilômetros de margens ribeirinhas que formam uma grande quantidade de terras de vazante. Para crescermos, basta reinventar o passado, molhando nossas terras, apostando na direção da irrigação como alternativa para progresso, além do turismo, é claro.

Além de todos estes primorosos requisitos, Belém tem uma história, que marca com brilhantismo a passagem dos que nos antecederam.

O povoado de Belém do São Francisco surgiu a partir da fazenda pertencente a Antônio de Sá Araújo. Em 1830, segundo os historiadores, os fatos originários de Belém, teve início quando seu fundador, em passeios habituais, distanciou-se um pouco da sua vivenda, encontrando local de paisagem deslumbrante, até então deserto, compatível para ali instalar-se com sua fazenda, passar o inverno, construindo à margem do rio São Francisco, uma casa de taipa, a casa grande e ao lado desta a senzala.

Entre 1839 e 1840, durante uma das chamadas Santas Missões, tendo à frente o padre Francisco Correia, foi lançada a pedra fundamental de uma capela consagrada à Nossa Senhora do Patrocínio. Em 1902 a povoação foi elevada à categoria de vila. Daí, surgiram as construções das casas de João de Sá Araújo, do Padre Francisco Tavares Arcoverde e outros, que constituíram o conglomerado, dando o nome de Belém em homenagem à venerável padroeira Nossa Senhora do Belém, da extinta capela do Araxá.

O município de Belém do São Francisco foi criado em 11 de setembro de 1928, desmembrando-se do território de Cabrobó. Em 1919, a cidade foi destruída por uma grande enchente, quando apenas a Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, padroeira da cidade, ficou de pé. O município precisou, então, mudar-se para uma parte mais acima das margens do rio.

Através dos seus povoadores, Belém deu origem a diversas outras cidades da região, inclusive Salgueiro, cuja história conta que teve início com o então coronel Manuel de Sá Araújo, filho de José de Sá Araújo e Maria de Carvalho Alves, que, segundo os historiadores, era descendente do sexto Rei de Portugal, Dom Diniz (período de 1279 a 1325), fundador da Universidade de Lisboa em 1291, e de Dona Isabel de Aragão.

O coronel exercia a função de coletor do dízimo para Coroa Portuguesa e numa das viagens que sempre fazia para fazer coleta, conheceu em Jardim, no Ceará, Quitéria da Cruz Neves, com quem se casou. Em pouco tempo o casal resolveu se mudar para aquela região, Da União, nasceram 14 filhos. Alguns anos depois, um dos filhos do casal, o pequeno Raimundo de Sá, seu nono filho, misteriosamente desapareceu na manhã do dia 21 de dezembro de 1835.

Preocupado pois na mata havia animais ferozes e índios da Tribo Cariri, Manoel ordenou que um de seus homens viesse a Belém, antiga Cana Brava, avisar do acontecido aos familiares e ao mesmo tempo pediu que nesta fosse formado um grupo de homens para ajudar a procurar o menino. Dona Quitéria, aflita, prometeu a Santo Antônio de Lisboa, que caso encontrasse seu filho vivo, construiria uma capela em sua homenagem.

Enquanto isso, o Coronel com os homens, inclusive os que foram de Belém, entraram na mata e após dois dias e duas noites, já no dia 23 de dezembro de 1835, um dos vaqueiros do grupo que foi de Belém encontrou o menino sã e salvo, brincando debaixo de uma árvore chamada Salgueiro, distante 10 km da sede da fazenda, fora dos limites da Boa Vista, num local hoje próximo do Estádio Municipal.

Este mês, Belém do São Francisco e Serra Talhada, completaram mais um ano de suas emancipações políticas, e como tal, foi a hora dos deputados votados, tanto aqui e como lá, assim como acontece com as demais emancipações, enviar votos e mensagens de congratulações, mas alguns deles, além dos tradicionais parabéns, apresentaram algo mais para um e outro não, são os chamados projetos que visam fortalecer mais ainda municípios já pujantes.

Por conta disto, fomos verificar nas redes sociais, as felicitações endereçadas ao nosso município por parte dos deputados aqui votados, e como tal verificamos que dos deputados estaduais, apenas, Augusto Cesar, Lucas Ramos e Rodrigo Novaes, parabenizaram nossa terra. Quanto aos deputados federais, apenas Fernando Filho e Kaio Maniçoba, lembraram da data. Os outros, Jorge Corte Real, Gonzaga Patriota e o estadual Miguel Coelho, embora tenham levados centenas de votos do município, esqueceram o dia mais importante da terra belemita.

Pois bem, os deputados Augusto Cesar, Lucas Ramos e Rodrigo Novaes, se expressaram de modo que o primeiro disse: “Parabéns, Belém do São Francisco!!, 113 Anos de Emancipação Política”. Ao lado da mensagem, um banner com fundo azul e os dizeres.

Sem título

O deputado, Lucas Ramos, por sua vez, postou: “E hoje é dia de bater palmas para Belém do São Francisco. O município completando 88 anos de emancipação política olhando para frente, em busca de um futuro melhor com mais desenvolvimento e qualidade de vida. Meus parabéns a todos os belemitas!”. Na mensagem, o deputado cometeu uma gafe quanto a idade da emancipação, ao invés de 113 anos, apenas 88.

Sem título

De todos porém, o único que se expressou de forma realista, dizendo o que de fato acontece, apontando o sentimento do aniversário de Belém, e do seu próprio povo, foi o deputado Rodrigo Novaes, que disse: “Parabenizo o povo belemita no dia de hoje. Hora de exaltar a beleza de suas tradições, a força de sua gente, e também de refletirmos sobre seu futuro. Devemos resgatar a autoestima de seu povo e apontarmos o caminho para seu desenvolvimento. Mas o município não tem um projeto”.

E prossegue o deputado: “Vejo pessoas vivendo com dificuldades, e sem oportunidades. Não pode ser assim. Tenho uma relação com o município de muito carinho. É inaceitável que as coisas fiquem assim. Parabéns Belém! Tenho muita honra de representar teu povo na Assembleia”.

O deputado tem enorme razão, mas ele, como deputado estadual, é um dos que poderia apresentar projetos que faça o desenvolvimento chegar, afinal o que acontece vem de décadas atrás, de forma que culpa não é apenas do ex-prefeito Manoel Caribé e seu filho Gustavo, mas todos, inclusive os aliados do deputado, que por incompetência política, entregaram o município ao marasmo, ao abandono. Durante muitos anos Belém vem sendo governada de costas, e mais, com poucas perspectiva de mudança.

Sem título

DEPUTADOS FEDERAIS:

Dentro os deputados federais, um dos que parabenizou Belém, foi o Deputado Federal, hoje Ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, que disse: “Um feliz sábado para o município de Belém do São Francisco, cidade que completa 113 anos. Forte abraço aos filhos da terra! Igualmente aos demais, o hoje ministro postou uma foto da Igreja Menino Deus.

Por outro lado, os deputados, Jorge Corte Real e Gonzaga Patriota, deixaram nossa emancipação passar em branco. Na página social do deputado Gonzaga Patriota, nada foi postado. Na página de Jorge Corte Real, muitas homenagens, mas para os aniversários dos municípios de Goiana, Jaboatão dos Guararapes, São Bento do Uma e outros.

Deputado Jorge Corte Real, lembrou dos aniversários de todos, menos Belém. Esqueceu os 1.167 votos que recebeu no último pleito.

Deputado Jorge Corte Real, lembrou dos aniversários de todos, menos Belém. Esqueceu os 1.167 votos que recebeu no último pleito.

Já o deputado, Kaio Maniçoba, da vizinha cidade de Floresta, de quem se espera que faça algo para alavancar como representante da região, o progresso de Itaparica, que infelizmente não anda, também comentou o aniversário de Belém, para quem enviou um forte abraço, mas com relação a emancipação de Serra Talhada, o deputado foi mais generoso, além das homenagens, mais promessas de continuar trabalhando e como maior presente, o anúncio de um Projeto de Lei para implantar na cidade uma Universidade Federal. Serra já possui inúmeras faculdades, dezenas de cursos superiores, inclusive medicina.

Sem título

Na mensagem enviada a comunidade de Serra Talhada, cujo aniversário aconteceu um dia antes do de Belém, o deputado disse: “Hoje é o aniversário de Serra Talhada e meu presente é continuar trabalhando pela cidade. Já dei entrada em mais PL (Projeto de Lei), de nº. 5173\2016, que autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Federal do Sertão, no município de Serra Talhada. Neste dia especial para Serra Talhada gostaria de dividir com vocês uma boa nova! Mais um passo é dado a favor da interiorização da educação em Pernambuco. Dei entrada no Projeto de Lei nº 5173/2016 que visa autorizar o Poder Executivo a criar a Universidade Federal do Sertão, em Serra Talhada”.

E prossegue o deputado: “A Universidade do Sertão vai oferecer cursos, programas e atividades que atendam às necessidades do desenvolvimento da região, a partir da estrutura da Unidade Acadêmica de Serra Talhada, vinculada à Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)”. “Com essa conquista estaremos aumentando as oportunidades e promovendo o desenvolvimento científico, formando profissionais/cidadãos com visão técnica, científica, humanística e empreendedora, capazes de enfrentar desafios e atender às demandas da sociedade.”

Sem título

Se ver assim que para uns, no caso os belemitas, “um forte abraço”, para o outro, uma “Universidade Federal”. Recente também, o deputado propôs projeto de lei que cria a Universidade Federal do Araripe. Também há poucos dias, o deputado sugeriu ao governo de Pernambuco, a implantação de uma unidade de tratamento de Hemodiálise para Serra Talhada. No caso de Araripina, o parlamentar apresentou indicação de nº. (2.072/2016), ao Ministério da Educação, sugerindo a instalação da referida Universidade Federal, segundo o parlamentar, com o objetivo de ampliar as oportunidades de acesso à educação superior de qualidade federal.

De acordo com Maniçoba, a medida, se efetivada, irá beneficiar 2,5 milhões de pessoas. “A Universidade do Araripe irá abranger 41 municípios pernambucanos, onde vivem mais de 1 milhão de pessoas. Além disso, atenderá a 25 municípios cearenses, com 900 mil pessoas, e mais 66 municípios do Piauí, com uma população superior a 500 mil cidadãos”, explicou.

Ainda com a intenção da instalação da universidade, a imprensa informou que Kaio Maniçoba, conseguiu a aprovação de emenda ao Plano Plurianual da União 2016/2019, que prevê destinação de R$ 200 milhões para a efetivação da medida.

QUAIS MOTIVOS:

Por tais motivos, fomos ver as razões das predileções de Kaio Maniçoba, por Serra Talhada e pela região do Araripe, especialmente Araripina, e não as encontrei, especialmente no que diz respeito aos números dos votos obtidos por Kaio, para a sua eleição. Em Araripina, o deputado teve 149 votos, em toda região do Araripe, foram apenas 695. Em Serra Talhada, 416 votos. Aqui, na região de Itaparica, o deputado recebeu a seguinte votação: Floresta: 5.997 votos, Belém: 1.695, Carnaubeira: 1.528, Itacuruca: 1.205, Jatobá: 1.218, Petrolândia: 688 e Tacaratú: 249, ou seja, na região, Kaio obteve, 12.580 votos, quase metade da sua votação, mas ao contrário de Araripina e Serra Talhada, não obtivemos qualquer projeto de impacto para a região tal qual ao que o deputado apresentou para as duas cidades.

CALAM-SE:

O que diz então aqueles que dizem se esforçar para fortalecer a educação superior na região? Por que calam? No momento não são todos alinhados politicamente do deputado, ou calam-se porque a educação pública tipo Universidade Federal não interessa aos bolsos de muitos, já que não aufere lucros magníficos? Ou será pelo fato dos diretores e demais funcionários de direção serem colocados através de critérios de competência?

COBRANÇAS:

A região de Itaparica não pode se dar ao luxo de ficar assistindo o progresso chegar em alguns locais e aqui não. Eles necessariamente tem que chegarem para todos os locais e sem qualquer discriminação.

Infelizmente nada tem sido feito por nossa região, inclusive para dotá-la da infraestrutura que as demais regiões do Estado possuem. Insisto que não podemos continuar sem uma Universidade pública que possa atender aos mais carentes, sem uma Receita Federal, Instituto Criminal, Clínica para tratamento de hemodiálise, Dires, Corpo de Bombeiro, Delegacia da Polícia Federal, Receita Estadual, Batalhão de Polícia, Delegacias Especializadas, Justiça Federal. JUCEPE. Não podemos continuar com cerca de 10 mil hectares de terras de ilhas sem um projeto de irrigação que pode ser a redenção da região. Não podemos continuar com o lago de Itaparica servindo a diversos Estado da federação, mas sem servir ao seu povo, com a implantação de projetos que explore os mais diversificados ramos da pesca. Enfim, não podemos ficar inertes, votando sem cobrar posturas claras em defesa da região, ou se não, vamos seguir em frente, do mesmo jeito sem rumo e sem futuro.

Depois de iniciada as obras de restauração do antigo Cemitério Público de Belém do São Francisco, que desde 1988 se encontrava abandonado e coberto por uma densa mata de algarobas que impedia o acesso ao local, com vários túmulos de uma beleza rara em adiantado processo de ruínas, os alunos da rede escolar do município, começam a visitar o local e ficam impressionados com a beleza dos túmulos que ainda resistem.

A primeira visita com relação aos estudantes aconteceu na terça-feira, dia 10, com alunos da Escola Estadual, Monsenhor João Pires de Araújo. No local as três turmas foram recebidas por Michel Duarte Ferraz (museólogo) e Deoclécio Lustosa, membros do grupo Defensores do Patrimônio, que são dois dos responsáveis pela restauração.

Sem título

Segundo Michel, os alunos vivenciavam um projeto pedagógico objetivando conhecer in loco o patrimônio cultural do município. “Entre os assuntos abordados, falou-se sobre a origem, os usos, o processo de desativação e de recuperação do antigo cemitério e a importância de dar ao local uma nova finalidade cultural, já que lá é o lugar da última morada de belemitas, ilustres e anônimos, que ajudaram a construir o nosso município. Falou-se também sobre identidade e referências culturais, valores presentes no antigo cemitério e a necessidade de respeito às tradições e aos nossos ancestrais”, disse Michel, que frisou ainda: “Muitos alunos ficaram encantados e nem se quer imaginavam que por baixo da mata que o encobria existia construções tão bonitas”.

A após a visita ao Cemitério, os alunos seguiram para a antiga Igreja Nossa Senhora do Patrocínio, ruas e praças e, por último, o Museu Elísio Caribé. “Certamente, os alunos e professores saíram mais conscientes da importância da preservação do nosso patrimônio cultural e orgulhosos por fazerem parte de um município rico em tradições. E assim, nosso grupo vem dando sua contribuição na (re)construção da autoestima de nossos conterrâneos”. Finalizou, Michel.

Sem título

IMG00566

Um absurdo, é assim que podia ser definido a situação da Rua Eurípedes Gomes de Carvalho, no Bairro Belo Horizonte. Um esgoto de grandes proporções corria em determinado trecho da rua, mais especialmente no cruzamento com a Avenida dos Artífices, bem ao lado da Clínica Médica Santa Luzia, cerca de 100 metros da residência do ex-prefeito e pai do atual, Manoel Caribé.

O esgoto era resultado do entupimento das galerias, sendo que as águas por não ter como correr normalmente, arrebentava nas tampas e seguia rua abaixo com força e mistura de água de esgotos com fossas, até cair no Rio São Francisco, próximo à estação de captação d’água da Compesa, local onde a água é retirada para ser servida a comunidade.

O problema, dizem os moradores, é antigo e deve voltar a acontecer pois é fato corriqueiro, e quando assim, um fedor horrível incomoda todos que residem nas proximidades.

IMG00563

Sem título

De fato a festa em homenagem ao 113 anos de emancipação política de Belém do São Francisco, foi um evento de sucesso e ninguém pode reclamar, a exceção no entanto, dos pacientes que fazem hemodiálise na cidade de Salgueiro. É que no outro dia da festa, o carro que transporta os doentes não apareceu e com isso muitos transtornos foram causados aos cidadãos que não querem saber de festa, mas de pontualidade no transporte que os leva local dos seus tratamentos, especialmente os da hemodiálise que não podem faltar ao tratamento.

Diante do acontecido, um familiar de um dos pacientes prejudicados enviou nota à imprensa, onde relata o drama e faz fortes críticas a questão da saúde do município. O caso, é a segunda queixa contra a saúde em menos de quinze dias.

Na nota, o professor, Umberto Maciel dos Santos, diz o seguinte: “Às autoridades de Belém do São Francisco – Gestor Municipal e Secretaria Municipal de Saúde, creio que vocês sabem que é através da hemodiálise que as pessoas que possuem suas funções renais prejudicadas têm a oportunidade de manter uma vida próxima do normal. Cada sessão de hemodiálise dura entre quatro e seis horas, e deve ser feita pelo menos três vez por semana, no caso do nosso município (segunda, quarta e sexta-feira), na cidade de Salgueiro-PE”.

Mesmo com os benefícios da hemodiálise, o paciente pode apresentar complicações como hipertensão arterial, anemia severa, desnutrição e hepatite, que podem ser tratadas e controladas a cada sessão de hemodiálise. Porém o gestor municipal, através da Secretaria Municipal da Saúde, parece não ter esses conhecimentos ou esqueceram da importância dessas sessões para os pacientes do nosso município”.

Prosseguindo, diz o professor: “Minha irmã é uma dessas pacientes, e a Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal da Saúde, já deixou três vezes de mandar o transporte pegá-la, para que ela pudesse realizar as sessões de hemodiálises. Duas vezes a família contratou o taxista Morzat e uma vez o carro da família foi deixá-la em Salgueiro-PE”.

No período destes acontecimentos procurei os Secretários Municipais da Saúde e de Administração, os mesmos culparam os motoristas e garantiram que isso não iria mais ocorrer, alertei-os, caso esses fatos voltassem a acontecer procuraria o Ministério Público e os meios de comunicação para denunciar esse absurdo. Infelizmente hoje dia 06 de maio, o temível absurdo volta a repetir e o transporte da Secretaria Municipal da Saúde não passou para pegar os pacientes de hemodiálises”. Diz a nota.

Procuramos os responsáveis para saber o que estava acontecendo mais não obtivermos respostas, ligarmos para os secretários e não fomos atendidos. Liguei para o IMIP de Salgueiro para relatar o que estava acontecendo, e quais os procedimentos que eu deveria tomar em relação a sessão de hemodiálise da minha irmã, se teria condições dela esperar até segunda-feira (09/05). Eles falaram que não era a primeira vez que isto estava acontecendo e não poderiam garantir pela vida de nenhum paciente, pois cada município tinha seu horário e deveriam cumprir à risca”.

E prossegue o denunciante: “Resumindo, a Gestão Municipal e a Secretaria Municipal da Saúde estão brincando com as vidas dos pacientes de hemodiálises em especial “A vida da Minha Irmã”. Quando estávamos mobilizando uma maneira de conseguimos uma vagar para que a minha irmã tivesse a oportunidade de fazer sua sessão, hoje ainda ou no sábado, chega a notícia que o IMIP tinha concedido algumas vagas hoje para os pacientes mais críticos”.

Então hoje 12h (dia 06) a Secretaria Municipal de Saúde disponibilizou o carro da Secretaria de Assistência Social para levar esses pacientes em estados mais críticos.

Ficam as perguntas: Porque o carro não saiu no horário? De quem realmente é a culpa desses absurdos? Será preciso perder um paciente para que a administração resolva essa situação? O horário dos pacientes de Belém do São Francisco é das 7h às 11h30, e o transporte só veio chegar às 12h, depois de toda correria dos pacientes e familiares, e mesmo assim não foram todos os pacientes.

Não posso mais ficar omisso a tais acontecimentos, já procurei os Secretários de Saúde e de Administração, porém os mesmos não tiveram a capacidade e muito menos a competência de resolver essa situação. Não posso esperar acontecer uma morte por falta de compromisso da administração local. A culpa do sucesso e fracasso de uma administração é do gesto municipal. Se os seus Secretários não têm capacidade de administrar suas secretarias, que os mesmos sejam substituídos. Só sabe a importância de uma sessão de hemodiálise quem tem um membro da família como paciente. Recursos vêm, então saibam administrar. Procurem os culpados destes descasos e que sejam punidos para que tais fatos não se repitam”.

Ao finalizar a nota o diz o professor: “Faço aqui um chamamento a todos os familiares de pacientes que fazem hemodiálises para que possamos nos unir e procurar o Ministério Público para resolver de uma vez, essa situação, antes que seja tarde”.

Sem título

Foto: Blog do Elvis

Um Projeto de Lei de suma importância para o asseio público e saúde dos moradores, foi recentemente aprovado recentemente pela Câmara de Vereadores, do município de Floresta, no Sertão de Pernambuco. O Projeto visa punir com multa os proprietários de terrenos baldios que não promoverem sua limpeza com regularidade.

A autoria do Projeto, é do vereador Romualdo Torres, visa qualquer possuidor legal de qualquer imóvel situado na zona rural, ou urbana do município.

O projeto ao ser submetido à apreciação por parte dos demais vereadores, foi aprovado por unanimidade, de forma que para entrar em vigor basta apenas a sansão por parte da prefeita Rorró Maniçoba.

De acordo com o aprovado, constatado a presença de lixos e entulhos, logo verifica-se a irregularidade e de imediato o proprietário será notificado e caso não cumpra com a determinação poderá sofrer multa cujos valores vão de R$ 100,00 (cem) a R$ 10 (dez mil reais), sendo esses valores decorrentes de multa revertidos em favor do Fundo Municipal de Saúde.

A justificativa para tal projeto é o combate ao mosquito Aedes Aegypti. “A conscientização ocorre por meio de abordagens educativas e obrigatórias, pois, toda residência é um foco potencial, em que uma postura inadequada pode levar à morte de um vizinho”, comentou o vereador Romualdo Torres”. (Fonte: Blog do Elvis).

Sem título

Antes adversários, Acácio Eufrásio e Quincas Valdivino, juntam-se a agora a Licínio e Rodrigo Novaes. No Ibó, muitas críticas aos dois.

Sem alarde, o pré-candidato a prefeito, Licínio Lustosa, junto com o deputado Florestano, Rodrigo Novaes, anunciaram, no sábado, dia 30, a adesão ao seu grupo Lustosa, do vereador Acácio Eufrásio. Acácio, tem como base eleitoral o distrito do Ibó, e a mudança de lado causa grande surpresa, já que o vereador além de compadre de Gustavo Caribé, com quem trilhou junto durante mais de oito anos, também é compadre do pré-candidato a prefeito, Hugo Carvalho, justamente o nome indicado por Gustavo.

Outro que também participou do ato de adesões, foi o vereador situacionista, Quincas Valdivino, que dias antes, igualmente anunciou rompimento com o prefeito. Embora Gustavo, tenha perdido dois representantes na Câmara de Vereadores, o relacionamento por lá não deve mudar, já que quinze dias atrás, os mesmos vereadores votaram contra o parecer do Tribunal de Contas, que recomendava a rejeição das contas de Gustavo, exercício 2012, e com eles a perpetuação de uma conivência escandalosa que acontece há anos nas contas da prefeitura.

ANUNCIANDO O VICE:

Afora as adesões, o pré-candidato, Licínio, também anunciou o nome de quem será seu companheiro de chapa, trata-se do médico belemita, Rômulo Roriz, que como Licínio, reside fora do município, mais precisamente na cidade de Salgueiro.

Sem título

Mesmo residindo em Salgueiro, e por isso mais distante do povo. Rômulo Roriz, sem ser político, foi o escolhido dentre tantos que aqui residem.

O nome escolhido por Licínio, não se trata de novidade, pois bem antes mesmo já vinha sendo especulado como provável vice, tanto que em reportagem passada, o Blog do Tadeu Sá, disse que em vista de determinados problemas, o vice do professor Licínio, necessariamente seria da família, ou seja, uma pessoa que possa ser confiável numa eventualidade. Além do mais, o grupo Lustosa, quando imagina-se politicamente forte, não recorre a nomes estranhos, como aconteceu nos últimos dois pleitos, já que penaram para encontrar um companheiro de chapa. Ninguém queria ser, mas agora é o contrário, muitos querem, outros sonham, mas eles é que ditam a escolha e os aliados se curvam de forma submissa sem qualquer possibilidade de esperneio ou contestação. É tanto, que há até comentários de que havia outros pretendentes ao cargo, mas foram rejeitados.

MOSCA AZUL:

O pré-candidato, Rômulo Roriz, é um cidadão de bem,  tanto que quando seu nome era especulado, respondia que política é “coisa de doido, de maluco, que jamais aceitaria ser candidato a cargo eletivo”, inclusive chegou a dizer que iria remover, Licínio, da ideia de ser candidato, mas acontece que picado pela mosca azul que picou o colega, Hugo Carvalho, que também dizia que não era candidato, Rômulo esqueceu o que dizia, e lança-se nesta “aventura”, como o próprio dizia.

UM LUSTOSA, DOIS RORIZ:

Embora não seja político, nem resultado de uma discussão ampla e democrática no seio do grupo, dos que estão lá, ou da própria sociedade, que nunca é ouvida, já que muito se fala em conjuntura financeira, Rômulo, pertence a nata da política local, a família Roriz, sendo primo inclusive do pré-candidato a prefeito, Antônio Licínio Lustosa Roriz, e com a escolha, a chapa irá para a disputa com sangue de um Lustosa e dois de Roriz, e por traz dela, uma penca enorme de outros parentes que também foram prefeitos, como é o caso dos pais dos dois pré-candidatos, Ariovaldo Lustosa Roriz, e José Roriz, dos tios, Dr. Alípio Lustosa e Aníbal Roriz, e muitos primos, como, Aníbal Lustosa Sobrinho, Geraldo Lustosa, João Licínio Lustosa, Helionado Lustosa, Manoel Caribé e o próprio Gustavo Caribé, ou seja, mais de 56 anos de governos das duas famílias, e o que se ver, é a prática desenfreada de uma política ridícula, inoperante, de forte declínio social e econômico, perversa e injusta. O próprio Rômulo, mesmo com a profissão atraente de médico, largou Belém e foi residir em Salgueiro. No passado era o contrário, o médico, Manoel Alves de Carvalho, por exemplo, largou. Salgueiro, onde a família era politicamente forte e veio residir em Belém. Duvido se por questões profissional ou financeira, queira Manoel, ir embora de Belém.

FORA DA POLÍTICA: 

Embora traga Rômulo Roriz, assim como Licínio, sangue político tradicional nas veias, pois como dito, além do pai, do tio e dos primos que foram prefeitos e vices, ao longo dos anos a família Roriz, também conseguia eleger diversos vereadores, mas a partir da eleição de um dos primos de Rômulo, o vereador, Washington Roriz, no ano de 1988, que faleceu prematuramente no curso do mandato em um acidente automobilístico, estes mandatos cessaram e com isso faz mais de vinte anos que a família, não elege um representante para a câmara de vereadores. É bem verdade que em algumas eleições a família ficava dividida, o que não acontece agora, já que todos fecharam-se contra Gustavo e seu candidato, e desta forma deixam para traz um passado em que a família Roriz, de carteirinhas nas mãos, como que religiosamente, com força e vontade, votavam reiteradamente em Manoel Caribé, primeiro e por várias vezes para vereador, depois, por duas vezes, para prefeito. Mesmo assim, ainda há alguns ns Roriz, que não querem nem ouvir falar no nome Licínio.

De novo, Lustosa e Roriz, em busca de mais um mandato. Se eleitos chegarão aos 60 anos de governança. Mais de meio século.

De novo, Lustosa e Roriz, em busca de mais um mandato. Se eleitos chegarão aos 60 anos de governança. Ainda assim se intitulam, como sendo sinônimo de “nova política e mudança”.

NOVO PLEITO, VELHA REGRA: 

Com a indicação, uma velha forma se repete na política dos primos, ou seja, a volta do projeto político vivenciado na eleição de Helionaldo Lustosa, em 2008, quando o grupo lançou uma chapa foi formada exclusivamente por Lustosa, um para prefeito e outro Lustosa para vice, ou seja, a família quando se imagina forte não consegue enxergar dentro dos seus quatros, ou até mesmo dentre aqueles que residem e ajudam com sacrifícios incomuns a alavancar o município, um nome que seja interessante aos olhos das tradicionais candidatos. Todos são vistos, apenas como cabos eleitorais.

DUPLA VINGANÇA:

Com a candidatura de Rômulo, por certo fatos passados serão rememorados,  e deles pode se dizer, que caso saiam vitoriosos, a família Roriz, duplamente se vingará de dois episódios na política local, o primeiro com relação a Gustavo, já que sua família, embora sendo apoiada por muitos e muitos anos pela família, Roriz, deu-lhes as costas esquecendo os apoios que tanto recebeu no passado e ao mesmo tempo também, se vinga do médico Hugo Carvalho, que quando vice de Aníbal Roriz, criou grandes embaraços ao governo dele, a ponto inclusive de fazer manifestações públicas pelas ruas, de abandoná-lo, e de ir se aliar com os  adversários com o fim derrubá-lo através de um impeachment que tanto interessava as famílias Lustosa e Caribé.

MESMA COISA:

Outro fato que também chama atenção, é que Rômulo, vai para a disputa contra uma das chapas que é justamente encabeçada pelo primo de dois cunhados de Rômulo. Rômulo possui duas irmãs casadas com dois primos do pré-candidato, Hugo Carvalho, e desta forma, se o mundo político gira, ou seja, se tudo gira, aqui em Belém, gira apenas no entorno dos mesmos de sempre, das famílias, Lustosa, Caribé, Carvalho e Roriz, e com eles a vida como ela é, de seguir em frente, mas sem que saibamos a que frente vamos chegar.

Sem título

Embora a data de aniversário da emancipação política de Belém do São Francisco, seja no dia 07 de maio, a prefeitura do município, na pessoas do prefeito, Gustavo Caribé, resolveu celebrar o evento na noite de ontem, quinta-feira, dia 5, quando para tanto montou apenas uma agenda de shows com artistas regionais e nacionais, e a instalação de dois palcos, camarotes e biroscas ao longo da Avenida Cel. Jerônimo Pires.

As atrações convidadas para a festa, foi o cantor de forró, Mano Valter, a ex-participante do The Voice Kids Andréa Vitória, o cantor Tony Farra e a sertaneja, Marília Mendonça, sendo esta última uma das cantoras mais em evidência no Brasil.

Sem título

Ao evento compareceram milhares de pessoas, e estas vieram de todos os lugares, das cidades mais próximas e até dos locais mais distantes, atendendo assim as expectativas, já que todos saíram felizes da festa.

O ponto negativo, foi uma tentativa de homicídio com uso de faca peixeira que aconteceu próximo do palco, mas a vítima foi socorrida e encaminhada para a cidade de Salgueiro, onde passa bem.

Mesmo com este acontecimento, e outros registros de furtos de carteiras, bolsas e celulares, as ocorrências não tiraram o brilho da festa, que no caso fecha a administração do prefeito Gustavo Caribé. Embora criticado muitas vezes pelos gastos excessivos que faz com este tipo de manifestação, Gustavo conseguiu trazer para Belém cantores renomados, como a própria Marília,  Amado Batista, José Augusto, Zezé de Camargo e Luciano, e tantos outros.

Desenvolvido por