O primeiro vai, o segundo vem e cada segue levando adiante os ensinamentos de Deus.

O primeiro vai, o segundo vem e cada segue levando adiante os ensinamentos de Deus.

Belém acaba de receber mais uma triste notícia, é que padre João Deoclécio, que chegou a mais de seis anos em Belém, primeiro como seminarista e hoje como Padre da Paroquia de Nossa Senhora do Patrocínio, será transferido e passará a prestar seus serviços de sacerdote na cidade de Inajá, também em Pernambuco.

Padre João Deoclécio, com seu carisma e humildade conseguiu agradar uma legião muito grande de fiéis, já fomentou nas comunidades movimentos que fizeram a igreja e a fé em Deus prosperar enormemente durante seu sacerdócio.

Ao falar sobre sua ida, Padre João, que também é cantor, disse: “Realmente a vida consagrada oferece essas situações, triste para uns, alegre para outros. Faz parte da dinâmica, fico muito feliz em poder ter colaborado com esta paróquia durante esses seis anos. Levarei grandes experiências adquiridas com vocês”.

Com a saída de padre João, que deve acontecer no final do ano, quem assumirá a paróquia local será o Padre Pedro Luiz, que é natural de Garanhuns, mas que exerce o sacerdócio na cidade de Inajá e sua chegada está prevista para acontecer no dia 15 de janeiro do próximo ano.

Sem título

Novela de maior audiência deste milênio, com média de 50 pontos de Ibope na Grande São Paulo, “Senhora do Destino” será a próxima reprise do “Vale a Pena Ver de Novo”, na Globo.

A informação foi publicada inicialmente através do Twitter pelo ator José de Abreu, ativo nas redes sociais e que fez parte do elenco da trama produzida entre 2004 e 2005.

A produção já estava cotada para reexibição, depois do próprio autor Aguinaldo Silva, no início do mês, aproveitar o dia do ENEM para dizer que Nazaré, inesquecível vilã da novela feita por Renata Sorrah, “estava voltando“.

No folhetim, o ator Eduardo Moscovis, que se chama Reginaldo, é prefeito da cidade e desempena um papel de corrupto e ladrão. Pura semelhança com muitos que estão espalhados Brasil afora.

No folhetim, o ator Eduardo Moscovis, que se chama Reginaldo, é prefeito da cidade e desempena um papel de corrupto e ladrão. Pura semelhança com muitos que estão espalhados Brasil afora.

Senhora do Destino” ficou no ar de 28 de junho de 2004 a 12 de março de 2005, tendo 221 capítulos. Foi escrita pelo pernambucano Agnaldo Silva e teve direção geral de Wolf Maya, com Susana Vieira, Eduardo Moscovis, Leandra Leal, José Wilker, Letícia Spiller, Leonardo Vieira, Carol Castro, Dado Dolabella, Débora Falabella, Marcello Antony, Tania Khalill, José de Abreu, Elizângela, José Mayer, Carolina Dieckmann e Renata Sorrah nos papéis principais.

O folhetim conta a história de Maria do Carmo (Susana Vieira), uma nordestina sofredora, abandonada pelo marido Josivaldo (José de Abreu), que parte com seus cinco filhos de Belém do São Francisco, rumo ao Rio de Janeiro. Ela se encontra desesperada, por não ter visto aqui um futuro melhor para dar aos filhos, pois vive em extrema pobreza. Portanto, ela escreve ao irmão, Sebastião, pedindo que ele os receba em sua casa.

No Rio de Janeiro, ela chega no dia 13 de dezembro de 1968, justamente o dia da decretação do Ato Institucional Número Cinco, o AI-5, que suprimiu a liberdade de expressão do Brasil, quando Maria do Carmo tem sua filha menor, Lindalva (Carolina Dieckmann) sequestrada por Nazaré, que se passa por uma médica, mas na verdade é uma prostituta que sequestra a menina para casar com o seu amante e mudar de vida. A novela foca na busca de Maria pela filha perdida e para punir sua sequestradora.

Esta será a segunda reprise da novela, que já foi exibida de 2 de março a 21 de agosto de 2009, em 123 capítulos, no mesmo “Vale a Pena Ver de Novo”. Sua exibição sofreu com os inúmeros cortes por conta do horário e da classificação indicativa, mas mesmo assim, obteve a ótima média de 21 pontos, a maior dos últimos anos.

Sem título

O papa Francisco concedeu na segunda-feira (21) aos sacerdotes a decisão de absolver ou não as pessoas que cometeram aborto e procuram a Igreja Católica para se redimir. A orientação foi publicada na carta apostólica Misericórdia et Miséria, divulgada pelo Vaticano.

A carta apostólica estabelece uma série de novas instruções para que a misericórdia seja adotada como prática diária entre os católicos. Dessa forma, os sacerdotes ficam livres para decidir perdoar ou não uma pessoa que cometeu aborto. Isso abre caminho para médicos e mulheres que já cometeram ou participaram de abortos. Até hoje, os dois eram impedidos automaticamente de comungar na Igreja e o status só podia ser revertido em casos específicos por bispos ou delegados.

Com todas as minhas forças, digo que o aborto é um pecado grave, porque coloca fim a uma vida inocente”, afirmou o papa. Mas “peço aos sacerdotes que sejam guias e deem apoio e conforto no acompanhamento dos penitentes”, ressaltou o líder católico.

Para que nenhum obstáculo se coloque entre o pedido de reconciliação e o perdão de Deus, concedo, a partir de hoje, a todos os sacerdotes, na força de seus ministérios, a faculdade de absolver os que os procuram pelo pecado do aborto“, determinou Francisco.

Além da questão do aborto, o papa validou as confissões celebradas por sacerdotes lefebrvianos e oficializou o trabalho dos “missionários da misericórdia“, postos criados durante o Jubileu para “escutar e perdoar os fiéis“. No texto, Francisco disse que a misericórdia é um “valor social” que deve “restituir a dignidade de milhões de pessoas“. Por isso, ele também criou o Dia Mundial dos Pobres, que será celebrado em toda a Itália católica.

Em um claro recado à ala conservadora do Vaticano, o papa escreveu em sua carta apostólica que “nada que um pecador arrependido coloque diante da misericórdia de Deus pode permanecer sem o seu abraço e o seu perdão. Comunicar a certeza do Deus que ama não é um exercício retórico, mas uma condição de credibilidade do próprio sacerdócio“, disse Francisco.

Jorge Mario Bergoglio também usou a carta para responder a quatro cardeais conservadores que lhe haviam questionado sobre a exortação apostólica Amoris Laetitia (A Alegria do Amor), lançada em 8 de abril e que fala sobre a família na sociedade atual. Assinada pelo cardeal Raymund Leo Burke, a carta acusa Francisco de apoiar o reconhecimento do divórcio. Como o papa não respondeu ao documento, os cardeais resolveram torná-lo público.

Quando o caminho da vida nupcial é interrompido pelo sofrimento, pela traição e solidão, a experiência da misericórdia nos permite olhar para todas as dificuldades com a atitude do amor de Deus, que não se cansa de acolher e de acompanhar“, ratificou Francisco. Dessa forma, o papa pede, mais uma vez, que cada caso de separação matrimonial seja analisado de maneira independente pelos sacerdotes.

O Ano Santo Extraordinário da Misericórdia foi encerrado ontem (20), com uma missa celebrada por Francisco no Vaticano diante de 70 mil pessoas. Tradicionalmente, o Jubileu acontece somente a cada 25 anos. O último tinha sido em 2000, portanto, só ocorreria em 2025. Mas Francisco resolveu convocar um Jubileu extraordinário com o tema da Misericórdia. O Ano Santo foi iniciado em novembro de 2015 e encerrado.

Futuro dos trabalhadores rurais nas mãos dos deputados federais, depois eles é que estarão nas mãos do povo eleitor. De olhos neles.

Futuro dos trabalhadores rurais nas mãos dos deputados federais, depois eles é que estarão nas mãos do povo eleitor. De olhos neles.

Maior componente do déficit do sistema geral de Previdência, responsável por um “rombo” de R$ 91 bilhões no ano passado, a aposentadoria dos pequenos produtores rurais deverá mudar. O governo estuda alterar a contribuição previdenciária dessas pessoas para, de um lado, reduzir o déficit e, de outro, aumentar a segurança jurídica do contribuinte. Hoje, por causa da dificuldade de comprovar o trabalho no campo, 30,2% das aposentadorias rurais são concedidas por força de decisão judicial. Ainda não há uma proposta fechada para atacar o problema. Mas é bem provável que mude a forma como esses agricultores recolhem para a Previdência.

Atualmente, os pequenos produtores rurais recolhem, a título de contribuição previdenciária, o equivalente a 2,1% sobre a receita bruta da venda de sua produção. Quando não vendem, não precisam pagar nada.

Uma das alternativas em exame é criar uma contribuição mais permanente, que pode ser um valor fixo. Ela terá de respeitar o fato de o homem do campo ter renda sazonal e, em geral, mais baixa que a do trabalhador urbano.

Da forma que está hoje, o sistema de contribuição do trabalhador rural tem vários problemas. Do ponto de vista do trabalhador, o principal é que essa contribuição é recolhida pela empresa que compra a produção. E ela não precisa identificar quem foi o vendedor. Ou seja, o produtor rural não tem um comprovante de que a contribuição foi recolhida em seu nome. Menos ainda se ele vende seus produtos para pessoas físicas, sem emissão de nota fiscal.

Quando esse agricultor vai pedir aposentadoria, praticamente não tem como demonstrar que passou a vida toda trabalhando no campo. Como “prova”, eles apresentam fotos, notas fiscais de compras de sementes ou equipamentos agrícolas. Na dúvida, o funcionário do INSS tem orientação para negar o benefício. Isso ocorre com frequência e, nesses casos, o produtor recorre à Justiça. No ano passado, 30,2% dos 307.654 benefícios rurais foram concedidos dessa forma.

Nos estudos da reforma, um dos objetivos é facilitar a comprovação da atividade rural por esses trabalhadores. E atacar o alto nível de informalidade e sonegação. Como o produtor rural só precisa recolher quando comercializa, ele sempre pode alegar que não vendeu nada.

É preciso ter cuidado para que não se exclua de vez os produtores do sistema“, diz o assessor de Previdência Social da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), Evandro Morello. Ele avalia que a adoção de uma contribuição fixa de fato ajudaria o agricultor a comprovar seu trabalho no campo. Mas, ao mesmo tempo, seria uma dificuldade para produtores que nem sempre têm o que comercializar.

Escrito por Tadeu Sá.

Neste final semana quem retomou com suas atividades depois de algumas reformas foi o Balneário Som das Águas, de Belém do São Francisco. Em breve o referido balneário oferecerá ao seu público, diversos chalés dotados com área, sala, banheiro, quarto, televisor, ar condicionado e frigobar, além de uma vista maravilhosa voltada para o lago de Itaparica e ilha do Cachauí.

15073340_210197366089687_3633640905422934249_n

O balneário ainda possui diversas piscinas, um playground molhado com um tubarão com escorrego, pato com escorrego, lápis, cogumelos, bengalas, pesque pague, pedalinhos cisnes, cascada e uma cozinha que oferece um cardápio variado, diversos tipos de petiscos, além de bebidas quentes e frias, e como novidade, o balneário volta a funcionar ás sextas, sábados, domingos e feriados.

Sem título

Da mesma forma, também em breve será entregue um Catamarã, que possui treze metros de cumprimento por seis de largura, o qual vem dotado de um camarote de seis metros por seis, piscina em tela, deque, redario, bica, cozinha em mármore e inox, churrasqueira, bar, cadeiras e mesas com sombreiros, motor possante e caixa de marcha marítima, além de outros equipamentos.

15078688_210194412756649_6117518909162608729_n

15037217_210196396089784_1354024486480278176_n

15027373_210195149423242_8234006266104549628_n

Para dezembro, o balneário Som das Águas anuncia a realização do primeiro “baile da saudade”, que deverá acontecer na noite do sábado, dia 12, quando se apresentará orquestra que execute músicas dos anos sessenta e outras, bem como a volta das festas em que a cerveja é vendida pelo preço de custo.

Por Tadeu em nov - 13 - 2016

EDITORIAL.

DE VOLTA!

Depois de quase cinco meses sem tempo suficiente para colher e postar as notícias, finalmente o Blog do Tadeu Sá, está de volta, e com total imparcialidade pretende continuar levando ao conhecimento do grande público os acontecimentos que fazem o cotidiano.

Durante este tempo muitos fatos aconteceram, mas que por isso, não chegaram ao conhecimento do grande público, o que levou a que muitas notícias passassem despercebidas e consequentemente sem registros para o futuro.

Felizmente, a cobrança pela retomada do nosso trabalho foi muito grande, atitudes que partiram de pessoas do mais diversificado segmento da sociedade, de gente de perto, de gente de longe, das pessoas que gostam da ler e de se informar a respeito do que acontece.

Pois bem, dentre tantas notícias que deixamos de reportar, podemos citar aquelas relatadas pela TV do Grande Rio, sobre a educação municipal e com ela uma assombrosa realidade que dói, que maltrata os mais pobres, que aniquila sonhos e o futuro dos mais necessitados. Sem dúvida, um descalabro e tanto que tem como culpados não apenas o atual prefeito Gustavo Caribé, mas todos aqueles que governaram a terra, como sempre sem compromissos para com a maioria. A situação é muito grave, de absoluta raridade, e dela se pode dizer que sem o pouco que Gustavo fez, estaria muito pior, já que no seu governo muitas coisas boas aconteceram, dentre elas a creche Tia Zita.

Outra afronta que assistimos incredulamente neste intervalo de tempo foi à repetição de cobranças de débitos da prefeitura de forma pública, desrespeitosa, já que deixam de lado a forma legal de se fazer cobranças, para como se não bastasse, de forma acintosa e desmoralizante submeter o município, por conta de seu gestor, à execração pública através das redes sociais.

Ainda neste intervalo, também, aconteceu às eleições municipais para escolha de prefeito, do vice e dos vereadores, campanha esta que foi marcada por uma disputa acirrada e de muita baixaria, com acusações de lado a lado, e que não terminou porque quem vai decidir o que o povo já decidiu é a justiça eleitoral de Belém.

Mesmo com a judicialização do resultado das urnas, como não poderia deixar de ser, uma esperança se renova, de que Belém seja olhada com responsabilidade, de forma carinhosa e com o fim definitivo de pôr fim aos privilégios que apenas são ofertados a uma exclusiva minoria sem compromissos com a terra. Aqui, cada um só pensa em si e nos seus.

A situação que o município de Belém do São Francisco vivencia, é caótica, e que por isso se espera ver bem distantes do futuro governo aqueles que levaram o município a bancarrota, aqueles que apenas pensam em se locupletar à custa dos excluídos, dos miseráveis, dos injustiçados socialmente.

É preciso que se dê um basta em muitas coisas que acontecem, como as diárias gordas que o município de modo excessivo fornece aos prefeitos, secretários e outros, ao escancarado e abusivo consumo de combustíveis, nos desenfreados alugueis de veículos e locações de prédios particulares, nas licitações cujos vencedores são os mesmos de sempre, na contratação indecente de serviços e de pessoal. Para a contratação de pessoas e alguns serviços, apenas o necessário e dentre estes primeiramente os que residem na terra, se houver necessidade, que venham, mas venham para aqui residir e assim possam também gerar renda, empregos e serviços para os que estão atrás de uma mínima oportunidade, mas não encontra, fazendo com que os recursos públicos corram no maior número de mãos e que girem por mais tempo na nossa cidade. Esta é a primeira e grande lição que deve ser feita.

Feito isto, devemos fomentar a agricultura, a criação de caprinos e ovinos, bem como a piscicultura. Nas ilhas, buscar ampliar a área irrigada fortalecendo a produção de alimentos diversificados, em especial a produção de alimentos orgânicos para fornecer os grandes centros. Estimular a produção de leite e seus derivados. Na área de sequeiro, com a economia dos recursos que são possíveis que o município adquira uma perfuratriz para cavar poços artesianos sem discriminar, que se incentive o plantio da palma forrageira para os animais e de outras plantas como o caju, que exige menos água, mas que pode produzir alimentos e fonte de renda.

Política tem que ser feira com atitudes política, com a participação do povo nas decisões que lhes dizem respeito, e não com apadrinhamento familiar sem freios que acontece e benesses que subordina uma câmara de vereadores a decisões desmoralizadas como aprovações de contas tidas como irregulares pelo TCE. Um prefeito que se preza não tem contas rejeitadas, atitude, aliás, nunca observada no município.

Um prefeito que se preza tem que enxugar a máquina administração e não permitir que funcionários fiquem distantes recebendo seus salários, mas sem trabalhar, ou que sejam colocados à disposição de quem nada tem a ver com a prefeitura, prefeito que se preza tem que agir com transparência e trazer o Ministério Público para dentro da prefeitura e dele exigirem o cumprimento do seu papel de fiscal da lei, e acima de tudo, entendendo que foi o povo quem o elegeu e em seu nome é que deve governar.

Feito tudo isto, que são medidas simples que apenas exige disposição e vontade, tendo como objetivo principal o compromisso com a maioria, sem a mínima interferência de pessoas e do passado corrompido e anárquico que levou Belém a situação atual, todos tenham plena certeza de que Belém pode dá a volta por cima, e nesta questão, Belém não tem tempo a perder.

E não adianta dizer que tudo quando sugerido são falácias. Nos dias que seguirão o Blog do Tadeu Sá, quer discutir a forma como a prefeitura de Belém gasta mal, muito mal, onde pode economizar com o fim de distribuir melhor os recursos públicos que chegam. Será uma tarefa que terá como objetivo, apenas o desejo de poder contribuir com uma Belém mais justa e mais fraterna para todos. 

A história de um possível união entre Gustavo e Licínio deu muito que falar. Pelo sim, pelo não, quem viver verá.

A história de uma possível união entre Gustavo e Licínio deu muito que falar. Pelo sim, pelo não, quem viver verá ou não.

Na semana passada, uma notícia sobre um possível acordo entre políticos adversários sacudiu Belém e inundou as redes sociais com inequívocas demonstrações de descontentamentos e revolta por parte dos eleitores e aliados de Licínio. A notícia dava conta de que o professor com alguns vereadores da sua corrente e o prefeito Gustavo Caribé, se reuniram numa fazenda localizada região da Canabrava, distante cinco quilômetros da sede do município, e a finalidade seria estabelecer um pacto de paz, ou mais propriamente, um acordão político, já que a conversa supostamente travada não foi de interesses da coletividade, mas de propostas que visavam aparar arestas, encobrir acusações de crime comum, eleitoral e desmandos.

Lembrando o que passou durante o governo Caribé, inclusive com a rejeição das contas do irmão, prefeito Helionaldo, Ronaldo botou a boca no trombone e denunciou suposto acordo. Ninguém sabe, porém como ficará sua relação com o futuro prefeito.

Lembrando o que passou durante o governo Caribé, inclusive com a rejeição das contas do irmão, prefeito Helionaldo, Ronaldo botou a boca no trombone e denunciou suposto acordo. Ninguém sabe, porém como ficará sua relação com o futuro prefeito.

FOGO AMIGO

Pois bem, a notícia foi repassada aos Blogs, por um aliado de peso da própria corrente política do professor, mas desmentidas por Licínio, que davam conta de que os dois políticos conversaram por horas a fio sobre a desistência por parte de Licínio, de uma ação penal que o professor e sua esposa Regina, movem na justiça local contra o prefeito Gustavo Caribé, processo este em decorrência de que logo após a reeleição de 2012, ter Gustavo, nos microfones da Rádio Educadora, proferido palavras ofensivas à honra de Licínio e sua esposa. Afora isto, também segundo comentários, a conversa girou sobre a possibilidade de aprovarem, através dos vereadores dos dois grupos, as contas exercício 2012, do prefeito Gustavo Caribé, contas que o Tribunal de Contas recomenda a sua rejeição. Pelo lado de Gustavo, pessoas de seu grupo político abdicariam do direito de representar junto à justiça eleitoral por possíveis cometimentos de crimes eleitorais que a chapa Licínio\Rômulo, e aí inclua alguns vereadores, teriam cometidos durante a campanha eleitoral, pois segundo os mesmo comentários, aconteceu farta distribuição de poços artesianos em troca de votos, mas para tanto, ainda teria Licínio que convidar um vereador da base de Gustavo para assumir uma das secretarias do município, que em consequência daria direito ao advogado Henrique Marcula, na condição de suplente, de assumir uma vaga na Câmara.

Seja como for, mesmo estando o dito pelo não dito e vice versa, tudo isto soou muito mal nos ouvidos da população que ansiosamente espera e confia em soluções urgentes e sem conluios para os graves males que Belém enfrenta, mas na verdade, a reunião por si, de dois desafetos não só políticos, diante dos acontecimentos que levaram a isto, já causam grande perplexidade a quem nutre sentimentos nobres de amor próprio, de estima e de honra.

CÚPULA

Na citada reunião, além das presenças de Licínio e Gustavo, as presenças dos ex-prefeitos, João Licínio e Helionaldo Lustosa, o empresário Gilmar Freire, os vereadores Vává do Bode, Ana Nogueira, Valdir Moreno e o recém-eleito, Dorgival Júlio, encontro que aconteceu numa chácara cujo proprietário, além de primo do prefeito eleito, é casado com uma prima legítima de Gustavo Caribé.

 

Ana, Vavá, Valdir e Dorgival, testemunhas oculares do tal encontro. Dois deles com mandatos que segundo falam, como Licínio, também serão questionados na justiça.

Ana, Vavá, Valdir e Dorgival, testemunhas oculares do tal encontro. Dois deles com mandatos que segundo falam, como Licínio, também serão questionados na justiça.

AUSENTES

Do que encontro, porém, o que mais chamou atenção foi à ausência do presidente do Democratas, Ronaldo Lustosa e do PMDB, Eduardo Mendonça Coelho. Ronaldo, mesmo sendo a única pessoa da família Lustosa a enfrentar a fúria dos oitos anos do governo Caribé e a carregar sozinho sobre suas costas a oposição a este, não foi convidado para a reunião, mas seus efeitos foram bombásticos, tanto que Ronaldo Lustosa, a um Blog disse: “Se esse acordo se concretizar não tenho outra forma de agir, irei transferir meu domicílio eleitoral para Recife”.

Não sou eleitor de Ronaldo, nem dos envolvidos neste lastimável episódio, mas Ronaldo está certo, já que foi ele que teve um irmão, Helionaldo Lustosa, impiedosamente massacrado pela câmara de vereadores da era Gustavo Caribé, quanto teve suas contas rejeitadas e isto se deu até com os vereadores que foram eleitos nas duas eleições que Helionaldo disputou. Quase todos votaram contra e agora ter Ronaldo que escutar estórias de “prestação de contas”, de “reunião da equipe técnica de transição”, é algo absurdo, seria não ter sentimento próprio.

Ainda sobre o assunto, disse Ronaldo: “O resultado das urnas deve ser respeitado, inclusive pelo prefeito eleito, pois o povo acreditou nas propostas levadas por Licínio ao palanque e que estas o elegeu. O povo merece respeito e não há necessidade de acordos, principalmente no sentido de não respeitar a escolha feita nas urnas”.

REBELDIA

Mesmo tendo Ronaldo justificado o que denunciou, houve quem o contestasse, mas nas redes sociais, em resposta a uma nota emitida pelo professor Licínio, Ronaldo Lustosa foi direto ao assunto e afirmou: “Fale a verdade para o nosso povo, porque mentira tem pernas curtas”. A outro respondeu: “Caro, quando eu disser que o jumento morreu, pode vender a cangalha”. Outros dizem, que mesmo sendo político, do que se conhece de Ronaldo, não e ele chegado a mentiras. Daí todos perguntam, qual seria a razão de Ronaldo carregar sozinho e nas costas a oposição ao governo Caribé, justamente num momento em que muitos mudavam de lado ou coniventemente calavam-se, e agora, depois de ajudar um candidato a se eleger, venha Ronaldo fomentar uma mentira deste importe? Custa a acreditar que Ronaldo esteja mentindo.

VERDADE X MENTIRA

Na ótica de quem compreende a política local, Ronaldo Lustosa não mentiu e disse o que aconteceu, fato jamais registrado no seio da família. A revolta contra tal entendimento não apenas desagradou Ronaldo, mas muita gente, quem quiser que veja as redes sociais, inclusive alguns dos vereadores presentes se rebelaram contra as tais propostas. Agora também é verdade que Licínio não sinalizou positivamente para nada. Dizem que ele sequer sabia do que seria tratado, ou seja, ardilosamente foi Licínio levado ao encontro.

Acontece que também não é verdade que a reunião tivesse como finalidade tratar de assunto relativo “transição de governo”, ou de “justificativas sobre o porquê de o TCE recomendar a rejeição de uma conta de Gustavo”. Isto é conversa para boi dormir, tanto que nenhuns dos que fazem parte da equipe técnica de transição estiveram lá, além do fato do encontro acontecer bem distante da prefeitura, ou das secretarias, onde não havia dados, nem documentos a observar, e ainda assim, sem avisar aos aliados mais próximos sobre o que iriam tratar e com quem ia tratar.

No frigir de tudo, foi muito bom o teor da conversa ter vazado, pois logo se estabeleceu uma insurreição popular, logo se viu um descontentamento generalizado de um povo que está por um triz. Isto serviu ao menos como freio nas pretensões dos gananciosos. Se quiserem renunciar aos processos, se querem renunciar as representações eleitorais, assim façam, é um justo direito do ofensor e do ofendido, agora trocar medidas judiciais e aprovação de contas por benefícios para uns, trata-se de um engodo imoral, que mexe diretamente com Belém e sua gente.

A sede do povo seria a causa da reunião, não para saciá-la, mas por conta de supostos votos que teriam sido trocados por poços artesianos.

A sede do povo seria a causa da reunião, não para saciá-la, mas por conta de supostos votos que teriam sido trocados por poços artesianos.

ACORDOS

Também se pode afirmar que estes comentários de aliança política não são de hoje, eles nasceram muito antes das eleições, pois desde lá se comenta sobre a aprovação de contas em troca da remessa de um novo projeto à Câmara com o fim de manter a isenção do ISS de algumas faculdades. Se tudo quando acontecido forem verdadeiros, seria o passo inicial para esta decisão, e em consequência na manutenção de uma medida impertinente, injusta e insensata que certamente aniquilaria mais ainda o povo que sofre e o município por inteiro. Seria mais um baita prejuízo, pois se levarmos em consideração a alíquota que o município deixa de cobrar, de 5%, a prefeitura deixa de recolher durante um ano algo em torno de 600 mil reais. Se levarmos em consideração apenas a taxa anterior, que era de 3%, mas que os vereadores derrubaram para zero, o município perde algo em torno de R$ 360 mil reais, valores sem dúvida, significativos para um município pobre que os próprios levaram a quebrar.

Apesar de tudo isto, mesmo não tendo votado no professor, não por ele, mas por conta de algumas companhias, nem no seu opositor, também me vejo sem condições de acreditar que Licínio seja capaz de ir a tanto. Pelo contrário, até vejo com muita vontade, determinação e desejo de mudar o curso triste na nossa história, a não permitir que as contas do município continuem sendo rejeitas pelo TCE, mas se um dia este tipo de acordo vier acontecer, certamente esta cidade vai virar de cabeça para baixo.

 

Nesta segunda- feira, suplente de vereador, Henrique Marcula, deve propor Ação de Investigação Eleitoral contra eleição de Licínio Lustosa.

Nesta segunda- feira, suplente de vereador, Henrique Marcula, deve propor Ação de Investigação Eleitoral contra eleição de Licínio Lustosa.

De acordo com a história relatada na matéria acima sobre possível troca de votos por poços artesianos e até cirurgias médicas, levam aos comentários de que os perdedores da eleição passada se articulam para proporem junto à justiça, ações de investigação eleitoral que visam apurar o cometimento desta prática tida como ilegal pela justiça.

A ação, que teria como um dos prejudicados o suplente de vereador, Henrique Marcula, será proposta pelo próprio Henrique, na condição de advogado que é, e busca atingir as candidaturas do professor Licínio, seu vice, Rômulo Roriz, além de alguns dos vereadores eleitos. Segundo uma pessoa bem próxima do vereador, a ação iria ser impetrada na sexta-feira passada, dia 11, mas por alguma questão que não se sabe, somente será impetrada nesta segunda feira, dia 14.

Ainda segundo o mesmo interlocutor, o grupo político possui provas fortes no sentido de demonstrar a prática de crime eleitoral, pois além de documentos sobre escavações de poços, a coligação ainda possui diversos vídeos  que mostram com riqueza de detalhes a ação eleitoreira.

A satisfação do grupo perdedor com o que alegam possui, é que todos contam com a certeza de que mesmo que assuma o cargo, a cassação do mandato do professor é questão de tempo. Para estas mesmas pessoas, acontecendo isto, o município passaria por novas eleições para prefeito e vice. No entendimento deles, sem Licínio numa nova eleição e sem alguém de peso para substitui-lo, abre caminho para a vitória de Roberval, que neste caso se candidataria mais uma vez ao cargo de prefeito. Esquece porem estas pessoas que o resultado da eleição de Licínio, nada mais foi do que o enorme descontentamento do povo com o desnorteado governo do prefeito Gustavo Caribé.

Quanto à cassação dos mandatos dos vereadores, se acontecerem, resultarão num novo calculo do coeficiente eleitoral, e nestes novos cálculos, sem estes votos, diminuiria o número de candidatos eleitos pela coligação em questão, e em consequência assumiria Henrique Marcula, na condição de suplente, situação que pode também beneficiar outros suplentes tanto da coligação que Henrique pertence, como a outra que apoiou o professor na eleição.

POUCO PREOCUPADO

Em que pese tais notícias, falando sobre o assunto numa das rádios da cidade, o prefeito eleito Licínio Lustosa, demonstrou despreocupação com o caso, inclusive disse: “Não estou preocupado com isso, que Henrique faça o que quiser, entre com o que quiser”.

Na verdade o que acontece nada mais significa do que a repetição de um velho filme, já que na eleição passada, um vídeo com o atual vice prefeito Cristiano Marcula, supostamente comprando votos chegou as vias da justiça, mas neste caso não deu em nada.

Escrito por Tadeu Sá.

Mesmo com a cidade parecendo um lixão, também é verdade que a orla recentemente construída pelo atual prefeito Gustavo Caribé, por sua localização e beleza se transformou no mais novo point da cidade.

Sem título

O local, onde também há muito lixo e o contraste por um lado do antigo açougue público, com a realidade de hoje, de fato ficou muito bonito e tornou-se um deleite para as pessoas que querem curtir as aragens do velho Chico. Por ser um local bastante ventilado, à noite centenas de pessoas tomam conta do lugar, especialmente nas sextas, sábados e domingos, sendo que muitos chegam ao local carregando cooler cheio de bebidas e até petiscos.

Dotada com um belo calçadão onde as pessoas passeiam e sentam-se, onde as crianças brincam com muita alegria, o local também conta com um pequeno parque infantil, uma academia, uma fonte com sensor que jorra água para que as pessoas possam se refrescar, uma boa e bonita iluminação e ainda sem funcionamento, dois quiosques, os quais oferecerão bebidas e comidas típicas.

Quanto ao sensor que com a presença da pessoa jorra água em abundância, um irresponsável introduziu um objeto pontiagudo na sua abertura e essa ação danificou o instrumento. Como se trata de um equipamento melindroso, se aguarda a vinda de um técnico para resolver o problema.

Com a obra, alguns opositores do prefeito estão a indagar sobre o píer que pela maquete da obra seria implantada no local, mas o que se sabe é que sua construção teria sido uma garantia do governo do Estado. Como as finanças estão em ruínas, os recursos não foram disponibilizados e por isso o píer não foi o construído, o que não impede que a futura administração venha fazer, até porque o projeto se encontra pronto, e quando edificado vai trazer mais beleza ao local, se estabelecendo mesmo como um ponto privilegiado para observação por parte dos visitantes das ilhas e do pôr do sol entre estas.

Sem título

O projeto inicial da obra era como demonstra a foto acima. A falta de recursos levou a que o píer não fosse construída.

Além disto, Belém deve encontrar uma solução para o açougue e matadouro de caprinos que ali se encontra, quem sabe transformando o local num pousada, num auditório, marina e implantação de pequenas lojas para fabricação e vendas de artesanatos, o que pode ser feito através de parceria entre a prefeitura, a própria sociedade interessada e o comércio local. Seria interessante também, a instalação de refletores direcionados para as ilhas e assim possam os visitantes à noite, observarem às ilhas e beleza natural que o local oferece.

Na frente da beleza, ruinas horrorosas de um açougue que há muito foi abandonado pelo poder público. Mesmo assim pode ser aproveitado para ornamentar mais ainda o local.

Na frente da beleza, ruínas horrorosas de um açougue que há muito foi abandonado pelo poder público. Mesmo assim pode ser aproveitado para ornamentar mais ainda o local.

O prefeito Gustavo Caribé, merece parabéns por esta realização e mais ainda, pela coragem de acreditar num sonho que não era apenas dele, mas de todo, e de correr atrás dos recursos necessários junto ao governo federal. Por isso se pode dizer que ele deixa uma conquista que é de muita importância para a cidade e para todos.

Escrito por Tadeu Sá.

Dentre os 204 inscritos no concurso da Câmara, todos os aprovados, no número de seis, já trabalham na Câmara. Denuncia se encontra no Ministério Público.

Dentre os 204 inscritos no concurso da Câmara, todos os aprovados, no número de seis, já trabalham na Câmara. O fato foi levado ao Ministério Público.

Desde que passou a eleição, o que mais se ouve nos encontros, nas ruas, esquinas e praça da cidade, são conversas a respeito do resultado do concurso público realizado com o fim de preencher cargos na Câmara de Vereadores de Belém do São Francisco.

Concurso da Câmara de Vereadores de Belém do São Francisco nas mãos do Ministério Público.

Concurso da Câmara de Vereadores de Belém do São Francisco nas mãos do Ministério Público.

As conversas não são no entorno do concurso em si, se as provas foram fáceis ou se o tema da redação agradou, mas quanto aos aprovados no certame, pois dos 204 candidatos inscritos que concorreram as 06 vagas existentes, apenas foram aprovados aqueles que já estão lotados através de contratos ou por indicação política na câmara vereadores. Os que não conformaram com o resultado e que por isso se acham prejudicados, levaram o caso ao conhecimento do Ministério Público.

Com o resultado, tudo se especula, inclusive muita crítica ao fato dos aprovados serem todos da própria Câmara, bem como pelo resultado só ter sido divulgado após a eleição passada de prefeito e vereadores.

Indagado sobre o assunto, o presidente do Legislativo Municipal, vereador Antônio de Eurípedes, respondeu que não tinha culpa se os reprovados não possuíam competência, pois quem foi aprovado foi por possui capacidade para isto.

Se for como alega Antônio, poderia se ter como inegável a capacidade dos vereadores na escolha anterior destas pessoas para a câmara, a pontos de todos serem aprovados no concurso em tela, mas o que acontece é justamente o contrário, já que nesta legislatura aconteceu de tudo, pula\pula partidário, aprovação de contas que o TCE recomendava a sua rejeição, isenção de impostos em detrimento de um município pobre e falido e até um aumento indecoroso e cruel na taxa de iluminação pública, situação que vem gerando uma contas bastantes caras aos cidadãos.

Antônio de Eurípedes vem presidindo a Câmara desde 2010, ou seja, ele preside o legislativo local à quase seis anos, mas somente agora, no final do último e terceiro mandato é que ele entendeu de realizar o concurso.

Escrito por Tadeu Sá.

Desenvolvido por